Caso é investigado pelo Nucria (Foto: Flávia Barros – Banda B)

 

O homem de 32 anos, que foi preso pelo estupro de um adolescente de 12, já tinha passagens pela polícia por abuso de meninos. De acordo com informações divulgadas pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) nesta quinta-feira (10), o suspeito foi detido em flagrante, no ano de 2014, por aliciar menores pela internet e também pelo que a lei hoje apontaria como importunação ofensiva ao pudor.

De acordo com o delegado Erik Wermelinger, é provável que o suspeito tenha algum tipo de transtorno. “Em 2014, ele foi preso aliciando menores pela internet e também praticou importunação ofensiva, se esfregando na vítima. Em todos os casos, as vítimas são do sexo masculino”, relatou.

O suspeito foi preso pela Polícia Civil de Araucária, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com as investigações do Nucria, a vítima já havia sido violentada seis vezes por este homem, sendo o último abuso cometido no Cemitério Água Verde. Denúncias da própria família da criança levaram a polícia até o acusado.

Comportamento

Após o início dos abusos, o adolescente teria mudado de comportamento completamente, o que foi percebido até mesmo na escola dele. Segundo Wermelinger, o garoto ficou mais agressivo e com déficit de atenção. “Além disso, começou a ter problemas com higiene. Acreditamos que seja justamente em razão dos abusos e das ameaças, que tinham como foco um suposto mal aos pais dele”, explicou.

A vítima deve ser ouvida nos próximos dias pelo Nucria.

Denúncia

O delegado explicou ainda que a denúncia que levou à prisão do homem de 32 anos partiu do pai da vítima, que flagrou uma conversa com imagens obscenas. “Por algum motivo, o pai estava em posse desse celular, com convite para a prática do abuso. Foi aí que ele procurou o Nucria e desencadeou o processo”, comentou.

Segundo a polícia, o mandado de prisão foi expedido na noite de quarta-feira (9) e cumprido na manhã desta quinta.

Na delegacia, o homem negou todas as acusações, mas vizinhos afirmam que ele costumava ‘mexer’ com crianças da região. “Várias pessoas disseram que ele mexia com crianças da região, chamando-as para ‘brincar’. Orientamos a todos que fossem até a delegacia de Araucária e registrassem um Boletim de Ocorrência”, disse ainda pela manhã o delegado Tiago Wladyka, de Araucária.