Emerson e Daniela, ainda juntos, em uma foto na rede social Facebook. Foto: Reprodução

O porta-voz da Polícia Militar (PM), tenente-coronel Manoel Jorge dos Santos Neto, lamentou na tarde desta sexta-feira (15) o assassinato da jovem Daniela Eduarda Alves, 24 anos. Em entrevista à Banda B, ele admitiu o “grave” problema de manutenção de viaturas, que faria com que 40% dos veículos do Paraná estivessem atualmente inoperantes, e disse que a corporação está absolutamente consternada com a morte e por não conseguir atender o crime.

Segundo o tenente-coronel, três viaturas estavam atendendo a Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, em 14 de janeiro, sendo que todas também estavam em atendimento prioritário. “A PM tem o controle de tudo que acontece com as suas viaturas. Duas estavam em atendimento a lesão corporal e uma atendia um invasão de domicílio, com a informação de que o individuo provavelmente portava armas de fogo. Não só tinha uma possibilidade, como tentamos. A primeira viatura que terminasse seu atendimento, seria deslocado ao local. Esse caso nos transtorna justamente pela impossibilidade de estar no local”, disse.

Daniela foi assassinada a facadas pelo ex-marido, Emerson Bezerra da Silva, de 25 anos. Nesta semana, o Ministério Público do Paraná (MPPR) anexou gravações telefônicas feitas por vizinhos à PM denunciando uma grave briga de casal que culminou na morte da jovem. A polícia foi acionada à 1 hora da madrugada e chegou ao local às 2h20. De acordo com a perícia, a jovem tinha sido morta há pouco mais de meia hora.

Manutenção de viaturas

De acordo com o porta-voz da PM, o atual processo de manutenção de viaturas é “absolutamente equivocado e ineficaz”, mas que o governador Ratinho Júnior e a Secretaria de Segurança Pública já atuam em medidas para fazer com que as viaturas voltem às ruas. “A PM passa por uma situação bastante crítica no que diz respeito a manutenção de viaturas e isso obviamente causa um transtorno imenso. Estamos acelerando o processo para resolver, mas infelizmente nesse caso, a falta ocasionou a morte de uma jovem”, lamentou.

O tenente-coronel Neto lembro ainda que a corporação faz cerca de 10 mil atendimentos a cada 24 horas e reforçou a necessidade de a população confiar na PM. “Efetivamente a missão de salvar vidas está sendo cumprida. Esse caso é o cume de algo muito grave que já vinha acontecendo contra a jovem e é necessário denunciar”, concluiu.

Ratinho Júnior

O governador Ratinho Júnior também lamentou o crime nesta sexta-feira e disse que o estado já tem trabalhado para melhorar a estrutura. “É um desafio melhorar esta estrutura para atender das ocorrências, o mais rápido possível. O problema não é só de atendimento. Hoje há um problema em cerca de 40% da frota de viaturas e estamos estudando a possibilidade de alugar estes carros para quando um quebrar, outro ser substituído imediatamente”, afirmou.