Uma farsa criada para matar Brayan Filipe Maciel Luiz, 23 anos, morador do bairro Boqueirão, em Curitiba. A Polícia Civil desvendou o crime e agora busca o paradeiro do acusado pela morte do jovem, que inventou um estupro para justificar a morte de Brayan.

 

O crime ocorreu no dia 23 de junho, na rua Laurindo Adelardo de Brito, por volta das 22 horas. O delegado Tito Barichello da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) disse que o jovem foi acusado de estuprar uma colega do autor – o que foi desmentindo durante as investigações.

“Um caso gravíssimo que gerou comoção pública em grande pare do bairro Boqueirão. A vítima foi caluniada, ou seja, o autor do homicídio disse que ele tinha estuprado uma mulher para justificar em momento posterior a morte da vítima. Ele é um criminoso homicida e além disso um caluniador. Ele criou essa mentira para justificar seu ato perante os outros”, detalhou à Banda B. “O motivo real do crime é um desentendimento que aconteceu antes, em que já havia uma ameaça”, completou o delegado.

 

 

Versão

Já no dia do crime, a família do jovem tinha detalhado aos policiais que Brayn se armou com um soco inglês e brigou com dois rapazes no meio da rua – um deles teria ficado bastante ferido. Vendo o amigo ferido, o outro teria sacado uma arma e efetuado um disparo contra esse jovem.

Para os familiares, a confusão começou durante uma festa no fim de semana, onde o jovem alega ter levado uma garota bêbada para a casa dela, por não ter condições de ir embora sozinha. Os amigos disseram, no dia seguinte, que Brayan teria se aproveitado da situação para abusar sexualmente da garota. Ao saber disso, o jovem foi tirar satisfação, mas acabou baleado.

Procura

Com as investigações avançadas e o mandado de prisão expedido, a Polícia Civil pede a colaboração da população com informações que auxiliem na localização do procurado. A denúncia pode ser feita de forma anônima pelos telefones 197 da PCPR, 181 Disque Denúncia ou pelo 0800 643 1121 diretamente à equipe de investigação.