Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias

giovanni-suspeitoUm dos suspeitos foi preso em casa, na manhã de hoje. Foto: DM/Banda B
geovanniCabo chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital. Foto: Reprodução

Quatro pessoas foram presas nas últimas horas suspeitas de participação na morte do cabo do Exército Giovanni Porcides, de 22 anos, na saída de um bar no bairro Alto da XV, em Curitiba. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) afirmou que, entre os presos, estão os donos dos veículos envolvidos na briga de trânsito, que culminou na morte do cabo. Informações extraoficiais dão conta de que dois homens e duas mulher estão detidos, um casal já está na DHPP. Outros dois estão vindo de Telêmaco Borba, interior do Estado. O retrato-falado deles foi divulgado na semana pela Polícia Civil.

A polícia divulgou o nome de apenas um dos suspeitos presos. Alexandre de Souza, 22 anos,  que dirigia um Fiat Uno, identificado nas imagens das câmeras de segurança. A mãe de Souza estava na DHPP e chorava bastante. “Eu não acredito que ele tenha matado alguém. Ele estava desempregado, mas a gente sempre ajudou ele, eu não acredito. Ele é tranquilo, dentro de casa nunca pegou nada, nunca fez nada, não falou sobre confusão, nem nada. Na verdade, aquele Fiat Uno é do pai dele, mas ele usa para ir ao mercado e às vezes até para sair, como ele tem carteira nunca proibimos de sair”, disse emocionada a mãe de Souza.

giovanni-dentroCâmeras de segurança auxiliaram a polícia na identificação dos suspeitos. Foto: PC

Sobre o futuro do filho, a mãe revela preocupação. “Não sabemos o que vai acontecer, mas independente se era do Exército, ou um andarilho, se matou alguém ele tem que pagar por isso. Não foi essa a educação que eu dei para ele. Tem que pagar. Eu não acredito que eu fiz um assassino”, finalizou. No fim da entrevista, a mãe confessou que sabia que o filho usava maconha. Os nomes dos outros três detidos ainda não foram divulgados pela polícia.

O crime

Testemunhas do crime – que aconteceu na Rua Itupava por volta das 3h30 do último domingo (5) – disseram que Giovanni saía da balada quando foi quase atropelado por essa Fiat Uno Branco. Ao tentar se desculpar, o motorista teria partido para cima do jovem e a confusão terminou com o tiro disparado contra o cabo. Giovanni foi socorrido e encaminhado para o Hospital Evangélico, mas morreu na tarde de domingo.

Além do Fiat Uno branco, outros rapazes que estavam em um Corsa Classic rebaixado, também branco, teriam dado cobertura para o assassino, de acordo com as testemunhas.

Notícias Relacionadas:

Polícia divulga retrato falado de envolvidos em morte de jovem em saída de balada

Jovem foi assassinado em saída de balada por motorista transtornado, dizem testemunhas

Briga ao pegar o carro na saída da balada termina com morte de jovem no Alto da XV