(Fotos: Flávia Barros – Banda B)

 

Um homem de 31 anos foi preso na última segunda-feira (16) em Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba, por agentes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). Ele é suspeito de estar envolvido com a quadrilha responsável por ataques a carros-fortes ocorridos na BR-277 em janeiro e julho deste ano.

A prisão aconteceu no bairro Jardim Paulista, por força de um mandado de prisão preventiva expedido pela comarca de Morretes, onde os assaltos foram realizados.

As investigações apontam que o suspeito comandava pelo menos três marginais que roubaram os veículos utilizados nas ações criminosas. O trio, que já está preso, efetuava os assaltos sob a orientação desse homem, que recebia os carros para cometer o crime e, posteriormente, os abandonava.

“No momento da prisão, a equipe policial teve trabalho, pois o suspeito estava escondido em um sobrado de alto padrão e, ao perceber a presença da polícia, tentou fugir, pulando muros das casas vizinhas e se escondendo no banheiro de um bar nas proximidades. No entanto, ele foi localizado rapidamente e teve o mandado de prisão cumprido”, falou o delegado responsável pelas investigações, Rodrigo Brown. O homem chegou a quebrar o telefone celular para impedir que a polícia tivesse acesso aos seus dados.

Durante as investigações, a polícia comprovou que o suspeito investiu o dinheiro proveniente dos roubos em veículos de luxo, um Audi A3 e um Spacefox Trend, os quais tiveram busca e apreensão determinada pelo poder judiciário e estão sendo procurados pelos policiais.

“Não foi descartada a participação ativa dele nos ataques aos carros-fortes sendo que as diligências prosseguem para identificar e prender todos os integrantes desta perigosa quadrilha”, completou Brown.

O homem conta com várias passagens policiais (receptação, roubo e tráfico de drogas). Agora responderá pelos crimes de associação criminosa (pena de um a três anos) e roubos de veículos (pena de quatro a 10 anos), as penas somadas chegam a 13 anos. Ele se encontra à disposição da Justiça.