(Foto: Reprodução)

O delegado Fábio Salvadoretti, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), disse que a principal linha de investigação do assassinato de Adeclyr Costa Pereira Guimarães, de 40 anos, é de que ela foi vítima de uma execução. Segundo testemunhas contaram aos policiais, o assassino parou o carro ao lado do automóvel de Adeclyr e fez os disparos.

Equipes da DHBF estão recolhendo imagens de câmeras das proximidades da casa da vítima, entre elas, as de duas instaladas na casa de Adeclyr. As imagens podem identificar o veículo usado no crime e também o autor ou autores do assassinato.

— Esse assassinato foi uma barbárie, uma covardia — disse o delegado.

Adeclyr foi assassinada por volta das 17h desta segunda-feira, quando chegava em casa, na Travessa Guilhermina, em Nilópolis, na Baixada Fluminense. A mulher parou o carro, um EcoSport, para que a sua mãe, de 73 anos, e as duas filhas, uma de 17, e outra, de 37, que é adotada, desembarcassem. Depois que as três desceram, um veículo parou ao lado do carro da vítima e efetuou os disparos.

Para ler a matéria completa no Extra clique aqui.