O Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) investiga o abuso sexual ocorrido contra duas meninas, de 9 e 12 anos, em Curitiba. A polícia chegou até os suspeitos graças a uma localização de GPS, já que a tornozeleira eletrônica de um deles apontou o local de um matagal de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana. Neste matagal, os suspeitos entraram em confronto com o Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Militar, e um deles morreu. Segundo as primeiras informações, esse homem seria o responsável pelo crime.

Foto: Arquivo Banda B

De acordo com o capitão Kredens, do Bope, o sinal desta mesma tornozeleira já havia sido verificada por duas vezes na noite desta terça-feira (15), sendo a primeira delas em um local próximo ao do desaparecimento das meninas. A segunda levou os policiais até uma residência do bairro Campo do Santana, mas o suspeito e as meninas não foram encontrados. “Lá encontramos apenas uma mulher e um carro roubado, mas ainda não sabemos se há envolvimento dela nos crimes”, comentou.

Já na manhã desta quarta, a tornozeleira foi novamente percebida e levou o Bope até o matagal da Avenida Brasil, no bairro Eucaliptos. Neste local, um homem morreu e outro foi preso.

Com a relação, o detido foi levado ao Nucria, para ser interrogado. As meninas, que foram encontradas pela família durante a manhã, também são ouvidas pela polícia.

O pai de uma das vítimas relatou à Banda B que a menina confirmou ter sido vítima de um abuso. “Ela contou que realmente o crime aconteceu e que, para a menina menor, um chá foi dado para que ela pudesse dormir. Pelo que minha filha me disse, o agressor teria começado uma conversa pelo Facebook e levou a tudo isso”, descreveu.

Segundo a polícia, o homem que morreu no confronto possui uma extensa ficha policial e estava com uma pistola com numeração raspada.

As duas crianças foram encaminhadas ao Conselho Tutelar. O Nucria segue investigando o caso.