(Foto: Flávia Barros – Banda B)

 

A rápida ação de um policial militar frustrou os planos de uma mulher, de 25 anos, que dirigia um carro roubado em Curitiba no fim da manhã deste domingo (3). O caso aconteceu na Rua Raposo Tavares, no bairro Pilazinho.

O PM estava de folga e saiu para comprar refrigerante para o aniversário da filha quando a suspeita chamou a atenção dele. “Eu cheguei no mercado com o meu pai e uma mulher parou com um veículo Onix do lado do meu, no estacionamento. Ela começou a me perguntar como que fazia para ir até o Tatuquara e eu tentei explicar, dizendo que era longe”, relatou ele, que preferiu não se identificar, em entrevista à Banda B.

Segundo o policial, a jovem então começou a abordar as pessoas ao redor, fazendo as mesmas perguntas e pedindo dinheiro para abastecer o carro. “Eu achei aquilo tudo muito estranho, devido às vestes e o carro em que ela estava, e o nervosismo que demonstrava. Fiquei curioso e fui checar a placa do veículo. Descobri que ele tinha sido roubado em Fazenda Rio Grande na última sexta-feira”, completou o policial.

O PM tentou conversar com a suspeita e pedir apoio do 190 ao mesmo tempo, mas a mulher percebeu a movimentação. “Nisso, eu dei voz de prisão e ela tentou me morder, me arranhar, mas consegui contê-la”, contou.

Ao policial, a jovem negou que tenha participado do assalto e admitiu apenas que “pegou o carro”. “Ela só deu informações desencontradas, que não faziam sentido. Inclusive, desceu do automóvel com uma lata de cerveja”.

A suspeita foi detida e encaminhada à Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Curitiba. Caso não seja reconhecida pelo assalto, ela deve responder por receptação.

O roubo

Segundo a polícia, o dono do Onix foi rendido por um casal armado no Centro de Fazenda Rio Grande no dia 1º de março. A dupla obrigou a vítima a dirigir até o bairro Capela Velha, em Araucária, e, ao chegar em um local de mata, mandou o motorista descer.

Ele foi amarrado próximo a uma árvore e os bandidos fugiram com o automóvel sentido Terminal Vila Angélica. A vítima relatou ainda que, durante o trajeto, foi ameaçada de morte e teve o celular e aproximadamente R$ 250 roubados.