A Polícia Militar do Paraná (PM) afirmou que os dois policiais que ficaram feridos durante a explosão de uma viatura em Ipiranga, na região dos Campos Gerais, foram vítimas de um “atentado violento”. Os dois tinham saído para atender uma chamada de pertubação do sossego na madrugada deste domingo (25), quando foram surpreendidos pela explosão dentro do veículo. Eles foram internados em estado grave.

De acordo com a aspirante Thaisa,  da 8ª Cia do 1º Batalhão da PM, a perícia foi feita e não há dúvida que que foi um atentado.

Viatura alvo da bomba caseira em Ipiranga – Foto: Colaboração

“Agora temos certeza que foi um atentado contra os policiais. A equipe do Esquadrão Antibombas esteve ontem no local, fez toda a perícia e encontrou vestígios de pólvora tanto no fardamento dos PMs quanto na viatura. Também foram localizados materiais no local que comprovam o atentado com a chamada bomba caseira”, afirmou a aspirante à Banda B.

A polícia trabalha agora para descobrir se o artefato foi lançado ou se foi colocado na viatura. Além de buscar responsável ou responsáveis pelo atentado.

Estado de saúde

Segundo a policial, que esteve na Santa Casa de Ponta Grossa, os dois feridos não correm risco de morte, apesar da gravidade dos ferimentos. “Estive no hospital ontem. A policial está internada na UTI e sofreu ferimentos nos braços, rostos com queimaduras em 2º grau. Ela teve uma fratura exposta em uma das mãos também e passou por cirurgia. Os médicos preferiram entubá-la para evitar danos às vias aéreas, mas ela está estável e não corre risco. Já o policial sofreu uma grande fissura na cabeça, mas foi suturada e ele está consciente e conversando. Também fora de perigo”, afirmou.

A PM pede ajuda da população para que colabore com denúncias anônimas que possam auxiliar na elucidação dos fatos. As denúncias podem ser feitas de forma anônima através dos telefones 181 e do 190