Pelo 2° dia seguindo, a polícia descobriu uma estruturada estufa de maconha na região de Curitiba. Desta vez, a Delegacia de São José dos Pinhais, na região metropolitana, chegou na noite desta terça-feira (1º) até uma chácara da localidade Papanduva, nas proximidades com o pedágio da BR-277. Ao todo, foram apreendidos mais de 150 pés do entorpecente, o que resultou na prisão de duas pessoas, mãe e filho.

Foto: Daniela Sevieri/Banda B

De acordo com o delegado Fabio Machado, a investigação começou após uma denúncia feita à Polícia Civil. “A delegacia recebeu informações de que uma família estaria produzindo a droga e hoje realizamos a abordagem. Era uma estufa bem estruturada para o cultivo”, explicou.

Na chácara, os policiais encontraram ainda sementes e fertilizantes para a plantação, além de dois veículos que foram apreendidos.

Para Machado, é provável que o local produzisse a droga há bastante tempo. “Até pela distância e difícil acesso, eles acharam que nós nunca chegaríamos, mas conseguimos chegar. Acreditamos que eles tinham a certeza de que não seriam descobertos”, disse.

Entre as drogas produzidas no local está o Skank, que é um derivado mais potente da cannabis.

 

A Delegacia de São José dos Pinhais agora procura pelo terceiro morador da casa, que é marido e pai dos detidos, e é apontado como chefe da produção.

Todos irão responder por tráfico de drogas.

Segunda estufa

Na segunda-feira (31), uma abordagem no bairro Butiatuvinha, em Curitiba, levou a Polícia Militar (PM) até cerca de cem pés de maconha no começo da tarde desta segunda-feira (31). A plantação estava dentro de uma estufa caseira, que foi preparada com materiais de alto investimento. Dois jovens, de 27 e 28 anos, foram presos como responsáveis pela droga.

Foto: Marcelo Borges – Banda B

Em entrevista à Banda B, o capitão Guimarães explicou que um dos jovens alegou que iniciou a plantação por causa da dificuldade de obter a droga com o fechamento das fronteiras. “Em razão da dificuldade atual de comprar fora do país, eles decidiram realizar o crime”, explicou.