Um adolescente de 16 anos foi apreendido, na tarde desta quarta-feira (3), com a bandeira brasileira queimada no ato antirracista ocorrido no Centro Cívico, em Curitiba. De acordo com a Polícia Militar (PM), ele estava em casa, no bairro Cajuru.

Foto: Colaboração

À Banda B, a tenente Toniolo informou que uma equipe da Rone (Rondas Ostensivas de Natureza Especial) estava em patrulhamento quando conseguiu a informação de onde o adolescente suspeito morava. “Com uma abordagem realizada, conseguimos os dados do adolescente que estaria com a bandeira. Na casa, o pai confirmou que o filho esteve na manifestação e encontramos parte da bandeira depredada”, disse.

O adolescente também confirmou ter participado do ato. Ele foi encaminhado à Delegacia do Adolescente.
Por determinação do governador Ratinho Junior, uma nova bandeira foi recolocada em frente ao Palácio Iguaçu, por volta das 16h30 desta terça-feira (02).

Seis presos

A Polícia Civil quer ouvir os organizadores do ato antirracista que terminou em vandalismo para identificar os responsáveis pelos crimes ocorridos no Centro Cívico, em Curitiba. Em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (3), o delegado Rodrigo Brown confirmou que seis pessoas seguem presas por envolvimento nos crimes ocorridos na última segunda-feira (1) e está analisando imagens para encontrar os demais envolvidos.

Com o inquérito aberto, o Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) busca encontrar também pessoas que tenham incentivado atos de violência pelas redes sociais, além de monitorar um novo ato marcado para o próximo fim de semana.

Manifestação

A manifestação de segunda-feira (1) teve início às 18h, na Praça Santos Andrade, em frente à Universidade Federal do Paraná (UFPR) e começou pacífica.

Um grupo, porém, seguiu em direção ao Centro Cívico. Lixeiras e pontos de ônibus foram vandalizados na Avenida Cândido de Abreu, assim como a sede do Fórum Cível.

A Prefeitura de Curitiba estima um prejuízo de R$ 35 mil, incluindo os pontos da Clear Channel.