A operação “Chupim”, realizada pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), deflagrou um grupo criminoso suspeito de desviar mais de R$1 milhão das contas bancárias de um idoso, de 89 anos. A quadrilha foi detida no bairro Fazendinha, em Curitiba, na manhã desta segunda-feira (12).

 

Ao todo, foram cumpridos sete mandados judiciais, sendo quatro mandados de prisão temporária e três de busca e apreensão. No decorrer da ação, também foi realizada uma prisão em flagrante. Sabendo da capacidade financeira da vítima, os suspeitos se aproveitaram do grau de parentesco que tinham com a esposa do idoso, que havia falecido recentemente, para arquitetar o plano.

“Parentes da mulher do professor, se aproximaram nesse momento de dificuldade e, sabendo da fragilidade cognitiva e da capacidade financeira do idoso, desfalcaram quase R$1,5 milhão. Usaram cartões, aplicações financeiras e todo o patrimônio financeiro desse idoso. Transferiram esse dinheiro para as próprias contas e adquiriram alguns bens como imóveis e alguns veículos”, explicou o delegado Wallace Brito, do 6º Distrito Policial.

De acordo com a investigação, uma mulher, de 43 anos, levava a vítima ao banco e efetuava saques e transferências para contas bancárias dos filhos. Ela se apresentava como filha do idoso. Além dos valores, há indícios de que o grupo teria adquirido quatro veículos de luxo por meio do golpe e pretendia abrir um estúdio fotográfico.

A PCPR conseguiu identificar também algumas transações bancárias de R$ 50 mil e R$ 800 mil das contas dos suspeitos. Outro ponto considerado na investigação é que nenhum dos suspeitos realizava qualquer tipo de atividade trabalhista que justifique as transações em valores tão altos.

As cinco pessoas presas na ação permanecem detidas à disposição da Justiça.

Professor da UFPR

O idoso é professor aposentado da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e, inclusive, elaborava as provas do vestibular. “Ele tem um histórico de uma pessoa bem reconhecida. Com o passar da idade, ele começou a ter problemas de saúde e perda de memória. Infelizmente, foi vítima desse golpe”, completou o delegado.