Uma onda de violência que atinge dois bairros tem assustado Curitiba. No Parolin e na Vila Guaíra, as ondas se tornaram praticamente diárias e os tiroteios passaram a ser registrados por moradores, que enviaram áudios à Banda B nesta quarta-feira (15). Dois moradores conversaram com a reportagem e relataram que sentem medo para sair até mesmo ao quintal das próprias casas. Desesperados, eles buscam mais segurança para controlar a situação.

Foto: Colaboração

Segundo os relatos, independente do horário do dia, você está sujeito aos riscos. “Todo dia a gente percebe disparos de arma de fogo. A gente está trabalhando, começa a escutar os tiros. A gente está dormindo, começa a escutar os tiros”, disse o primeiro morador.

O raciocínio é complementado e compartilhado pelo vizinho de bairro. À Banda B, o entrevistado explicou que não há horário para as situações ocorrerem. “O dia a dia aqui é assim. Sempre com medo! É tiroteio à noite, é tiroteio de manhã. Às vezes, à tarde, ao meio dia. Hoje, é difícil de viver no bairro. Na rua que moro, também”, detalhou.

Na própria casa

A rotina do medo ultrapassa a questão dos barulhos dos tiros, visto que é possível que as balas acabem perdidas. “Recentemente, um apartamento levou dois tiros. Um entrou pela janela e outro parou na parede mesmo. Não chegou a entrar no apartamento, mas o rombo está lá, no apartamento. Se tivesse acertado ao morador que não tem nada a ver com estes problemas. Matam a luz do dia, sabe. Está terrível”, lamentou o primeiro morador.

Diante da insegurança, o segundo morador afirma que sente medo de sair no quintal da própria casa. “Não tem condições de sair no jardim, ou até no portão de casa. Você não sabe das coisas. Há qualquer hora, pode acontecer coisas piores aqui”, comentou

Proteção

Diante dos constantes tiroteios, o único pedido a ser feito é por mais segurança. “Tem que tomar uma providência porque está difícil. A gente fica assustado o tempo inteiro, não sabe o que vai acontecer, o que vai dar. Qualquer hora vai morrer gente inocente por bala perdida. Isto está se tornando igual ao Rio de Janeiro”, concluiu o segundo entrevistado.

Em relação ao bairro Parolin, a Polícia Militar explicou que tem atuado com vigor na região após a Banda B lhes encaminhar a denúncia. Confira a nota na íntegra:

O 12º Batalhão de Polícia Militar (12º BPM), que faz o policiamento no bairro, informa que tem feito o patrulhamento ostensivo e preventivo no bairro, além de operações e pontos-base em locais estratégicos, de acordo com a análise criminal feita pelos registros de Boletins de Ocorrência. A PM reforça que é importante que o cidadão faça as denúncias pelo 190 ou pelo aplicativo Emergência Paraná diante de qualquer situação suspeita ou de crime.

Tiros

Ouça os disparos enviados à Banda B: