Edivaldo foi assassinado de forma brutal (Foto: Facebook)

Uma mulher de 28 anos foi presa temporariamente na sexta-feira (09/11) suspeita pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de seu ex-marido, Edivaldo Dias, de 38 anos. O corpo da vítima foi encontrado sem a cabeça no dia 16 de outubro deste ano por moradores da área rural de Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. Andreia Carla Kotovski foi presa em Rio do Sul (SC) por policiais civis da Delegacia de Almirante Tamandaré.

(Foto: Reprodução)

Segundo a investigação, a vítima já estava desaparecida desde o dia 13 de outubro. Dias depois, por terem visto rastros de sangue no matagal, os moradores foram averiguar e se depararam com o corpo decapitado. No outro dia, crianças curiosas com a situação foram até os arredores e acharam a cabeça da vítima, que foi sepultada separadamente ao corpo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Tito Lívio Barichello, a mulher já era a principal suspeita desde o início pois no decorrer das investigações vários pontos levavam a crer que ela seria a suspeita do crime.

No dia 13, quando a vítima desapareceu, havia uma ligação em seu celular realizada pela suspeita às 5h da manhã e já existiam Boletins de Ocorrência registrados pela vítima contra ela dando conta de que ela teria tentado esfaqueá-lo. Também recebemos uma denúncia anônima de que ela seria a suspeita pelo crime. O delegado também esclareceu que uma nova investigação foi iniciada, pois um ex-namorado da suspeita também teria sido assassinado anos atrás”, explicou Barichello.

(Foto: Reprodução)

O delegado destacou ainda como a suspeita agiu para atrair Edivaldo. “Ela fingiu um problema no carro e chamou a vítima. Com um punhal, acabou decepando a cabeça dele. Em um bar, antes do crime, ela havia falado que se o encontrasse o ‘chumbo’ ia comer. Os dois tinham uma relação conturbada. Ela o matou a sangue frio e ofereceu dinheiro para não ser presa”, descreveu.

Ao todo cinco testemunhas foram ouvidas, entre elas duas sigilosas, concluindo a investigação. Uma das testemunha confirmou que foi contratada para matar Edivaldo e a outra ouviu da investigada, detalhes de como decapitou Edivaldo Dias.

Durante a prisão, a mulher ofereceu R$ 10 mil para não ser presa pela equipe policial, motivo que foi autuada em flagrante pelo crime de corrupção ativa. A suspeita estava foragida em Rio do Oeste (SC) e foi presa por policiais da Delegacia de Almirante Tamandaré, para onde foi encaminhada e permanece à disposição da Justiça.