Acontece na próxima terça-feira (6), no Tribunal do Júri, o julgamento de Josiane Borges de Almeida, de 30 anos, que atirou contra o marido policial, após uma discussão na residência do casal, em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. A mulher responde em liberdade pelo crime de homicídio, cometido em 2014.

Maurício Zampieri, advogado de Josiane, afirmou em entrevista à Banda B que alegará legítima defesa, já que a cliente já havia registrado uma medida protetiva contra Carlos Murilo Gallina. “Essa era uma tragédia anunciada pelo perfil da vítima. Josiane contou com riqueza de detalhes como esse era um relacionamento conturbado. Segundo ela, o policial havia chegado embriagado e sob efeito de entorpecentes, e que teria investido contra ela por ciúme, dizendo que o filho não era dele”, explicou o advogado.

PM foi morto pela esposa após crise de ciúme. (Foto: Reprodução Giro 190)

Zampieri relatou ainda que Carlos Murilo teria ‘esganado’ Josiane, o que a fez desmaiar no sofá de casa. Ainda na mesma noite, o policial teria engatilhado uma pistola, mas acabou a derrubando. Em seguida, Josiane utilizou a arma do marido para acertá-lo no estômago. Ele morreu horas depois, no Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo.

“Queremos que ela seja absolvida sob o manto da legítima defesa. Esse rapaz ingressou na policia em 2012, mas nós localizamos um boletim de ocorrência de uma medida protetiva de outra mulher que teria sido vítima de agressões físicas e verbais no anterior, em 2011. Dois anos depois, ele foi punido disciplinarmente por uma confusão em uma casa noturna, embriagado, e com a posse de uma arma”, acrescentou o advogado.

O crime

O soldado Carlos Murilo Galina, do 17° Batalhão da PM, lotado em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, foi baleado pela própria mulher, no início da madrugada de 26 de agosto de 2014. A mulher, com 26 anos na época, confessou que atirou três vezes contra o marido e foi presa em flagrante.

O crime aconteceu na casa do casal, na Avenida Brasil, em Campo Largo. Após uma discussão, ela pegou a arma do marido e atirou contra a barriga dele. Em estado gravíssimo, o soldado foi encaminhado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.