Uma mulher foi presa, nesta terça-feira (14), suspeita de matar o marido no bairro Campo do Santana, em Curitiba. De acordo com a polícia, Cristiano Gonçalves dos Santos foi encontrado morto com uma corda no pescoço, na manhã do dia 4 de julho, na Rua Ângela Gabardo Parolin. O filho dela e enteado da vítima também foi detido por participação no crime.

 

Local do encontro do corpo de Cristiano Gonçalves dos Santos. Foto: Djalma Malaquias/Banda B

De acordo com a Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), a polícia chegou até os dois suspeitos após ouvir testemunhas e ter acesso a imagens de câmeras de segurança. No entanto, segundo o delegado Victor Menezes, a prova determinante para a prisão foi obtida por meio do trabalho da Polícia Cientifica. “Verificou-se que havia vestígios de sangue na pia, no quarto, na sala e também na porta do imóvel. Então, o local do crime foi a própria casa da vítima”, comentou à Banda B.

Após a confirmação dos vestígios de sangue de Gonçalves na residência, a Polícia Civil passou a adotar a hipótese de que o corpo foi levado da casa até o local onde foi encontrado. “Nós verificamos que, no dia do crime, saem da casa o veículo da vítima e do enteado. O carro da vítima ainda está desaparecido. Esta é a hipótese mais provável que a polícia trabalha neste momento”, pontuou.

Versão dos investigados

Menezes comentou que os suspeitos negaram qualquer envolvimento na participação do crime em questão. Segundo o delegado, a mulher da vítima afirma que teria visto Gonçalves, pela última vez, às 21h, daquele sábado (4). O enteado alegou que não via a vítima a muito tempo. “Este suspeito informou que não viu o sangue quando voltou para casa naquele dia. O que é difícil de dizer, já que a Polícia Cientifica verificou uma grande quantidade de sangue da vítima, na sala do imóvel. Basicamente, temos muitas informações para apontar o envolvimento no crime dos dois presos”, disse Menezes.

Motivação

Após levantarem todas as pistas e chegarem aos suspeitos, a DHPP acredita que o crime foi motivado por problemas familiares. O delegado também revelou que há dois anos, a vítima e o enteado chegaram a lutar entre si. Com o enteado utilizando uma arma branca para ferir Gonçalves.

“Isto foi confirmado pelos investigados. Vale lembrar que o corpo foi encontrado com sete ferimentos de instrumento análogo a uma faca. É um crime que remonta um conflito familiar, um relacionamento abusivo, vários desentendimentos na família”, concluiu o delegado.

Matérias relacionadas