Uma mulher de 34 anos foi baleada no rosto por um policial militar na noite desta quarta-feira (6) dentro de um estabelecimento comercial da família dela na rua Dona Eloá do Valle Quadros, em Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo.

Daiane Cristina Santos, que trabalha como vendedora de flores, foi socorrida e levada para um hospital municipal da região, onde está internada. Segundo familiares disseram à reportagem, médicos que atenderam a vítima disseram que ela perdeu a visão do olho direito.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, a paciente será transferida para outro hospital na zona leste para avaliação cirúrgica na especialidade de bucomaxilofacial. A pasta disse ainda que a família está sendo informada dos procedimentos.

mulher-olho
Daiane Cristina Santos, 34, foi baleada no rosto por um PM em Cidade Tiradentes, zona leste de São Paulo, nesta quarta (6) – Foto: Leitor/Folha de S.Paulo

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) confirmou que o disparo foi feito por um PM. Segundo a pasta, uma equipe da Polícia Militar passava pela via, por volta das 20h, “quando viu o que seria um suspeito traficando drogas”.

“Ao perceber a aproximação policial, o homem fugiu. Durante a ação, houve disparo da arma de um PM”, acrescenta a SSP.

A secretaria chefiada por Guilherme Derrite afirmou também que o tiro acertou duas mulheres e se limitou a dizer que uma delas teria sido atingida de raspão. “Ambas foram socorridas, receberam atendimento médico e estão fora de perigo”, disse a SSP.

A reportagem então questionou a pasta sobre o caso específico de Daiane, perguntando se a vítima de fato teria sido atingida de raspão. “Por ora, as informações que dispomos são as que já foram enviadas”, respondeu a SSP.

De acordo com Edna Aparecida Santos, 57, mãe da vítima, a filha relatou que assistia a vídeos pelo celular, dentro da loja, quando foi atingida.

Conforme o relato de familiares, testemunhas tiveram que insistir aos PMs para que socorressem a vítima. Um vídeo mostra a mulher sendo amparada por outras pessoas enquanto um PM acompanha a ação a distância. Ela então é colocada por testemunhas dentro da viatura, que deixa o local com a sirene ligada.

“É mais um trabalhador que a polícia atinge. É mais um trabalhador que pela misericórdia de Deus não morreu, porque ela nasceu de novo. É mais uma mulher negra que sofre com essas coisas. É muito triste, porque a gente tem polícia para proteger a gente, não para matar a gente. E ultimamente eles só têm nos matado, matado os pais de família. Matam nossos filhos, nossas filhas, é o que está acontecendo”, disse Edna à reportagem, chorando.

A SSP afirma que a arma do PM foi apreendida e passará por perícia. A Polícia Militar instaurou um Inquérito Policial Militar para apurar o caso.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Mulher é baleada no rosto por PM; vítima perdeu a visão de um olho, diz família

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.