O jogador Vinícius Corsini, de 20 anos, foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) pela morte do presidente do Nacional de Rolândia, José Danilson Alves de Oliveira, de 58 anos. Corsini vai responder por homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima). O MP-PR acrescenta na denúncia que o crime foi praticado em período de calamidade pública, decretado em função da pandemia de Covid-19, o que pode ampliar a pena.

Presidente morreu na última quarta-feira (Foto: Divulgação/Nacional )

Segundo apurado no inquérito policial, a vítima foi morta com nove facadas quando saía da empresa em que trabalhava. O denunciado tentou fugir, mas foi contido por populares e preso em flagrante. O jogador conhecia a vítima, já que, até o início do ano, defendia o Nacional de Rolândia. Em depoimento à polícia, entretanto, o acusado declarou que o crime não estaria relacionado a problemas com o rompimento de seu contrato, tendo motivação pessoal (a vítima, supostamente, queria ter um romance com a mãe do denunciado).

Em entrevista à TV Tarobá, o delegado Marcos Rubira disse que o ódio começou após um flerte que o presidente do Nacional teve com a mãe de Corsini. “Ele mencionou que tinha pela vítima um grande ódio, porque desde 2018 jogava pelo Nacional e, em uma certa ocasião, o presidente teria conversado com a mãe dele de uma forma ‘flertiva’”, explicou.

A denúncia foi enviada à Justiça de Rolândia, que irá definir se aceita a acusação.