Motoristas do transporte coletivo de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, promoveram uma manifestação na noite desta segunda-feira (1º) em frente à delegacia. A revolta dos trabalhadores é a soltura de suspeitos de terem cometido assaltos ao transporte coletivo há três dias na região e esfaqueado um motorista. Os suspeitos seriam liberados por ausência de flagrante e de mandado de prisão.

Três suspeitos assaltaram dois ônibus do transporte público na região do bairro Gralha Azul na noite de sexta. Em uma das situações, um dos bandidos esfaqueou um motorista no braço, duas vezes, pela falta de dinheiro no coletivo. “O grau de perigo é tanto que ele deu a primeira facada, viu que não saiu sangue e deu outra, quer dizer ‘não machuquei e quero machucar de verdade’. É uma pessoa que não pode viver em sociedade e tem que ficar presa”, contou o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e região (Sindimoc), Anderson Teixeira, à Banda B. O trabalhador precisou de atendimento médico e precisou de sutura no braço, com 14 pontos.

Na noite de ontem, policiais militares intensificaram o patrulhamento e detiveram três suspeitos, com as mesmas características, no ponto de ônibus já conhecido pelos assaltos. “Esses casos já causam terror aos trabalhadores, e mais inadmissível ainda é quando o cara é preso dois dias depois de ter feito isso tudo, com a arma do crime, balaclava, e simplesmente, temos a informação aqui na delegacia de que ele será liberado. A impunidade é o motivo que faz com que bandidos cometam assalto a coletivos”, disse o presidente do Sindimoc, bastante revoltado.

Como o trio não foi preso em flagrante – logo após o crime – e não havia mandado de prisão expedido para que ficasse preso, houve a informação de que todos seriam liberados. Diante disso, motoristas se reuniram para protestar.

O motorista machucado participou do movimento dos trabalhadores e foi até a delegacia para reconhecer dos suspeitos, na tentativa de que permanecessem presos na Delegacia de Fazenda Rio Grande.

Reposta 

Em nota, a Polícia Civil informou que os três suspeitos conduzidos pela Polícia Militar na segunda-feira (1ª) assinaram um Termo Circunstanciado por porte de arma branca e, por ser um crime de menor potencial ofensivo, foram liberados.

“Um deles, um adolescente (17 anos), que foi reconhecido pelo assalto a um transporte coletivo na noite da última sexta-feira (29/09), também foi liberado por não estar em situação de flagrante. A delegada de polícia solicitará ao Ministério Público o pedido de internação do menor e orienta que, quem foi vítima, deve procurar a delegacia para formalizar a denúncia”, finaliza a nota.