Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento

xaximNão há informações sobre a motivação do crime. Foto: AN/Banda B

Ao notar que estava sendo seguido na noite desta terça-feira (29), Adriano Luiz Ferreira de Lara, 31 anos, ligou para o amigo do telefone celular, ainda enquanto dirigia. Assim que encostou o veículo em frente à casa dele, no bairro Xaxim, em Curitiba, Lara foi morto com diversos disparos de arma de fogo. O suspeito, que estava em um carro prata, conseguiu fugir e ainda não foi localizado.

O crime aconteceu na rua Joaquim Theodoro Portugal, na Vila São Pedro, por volta das 21h30. Lara seguia para casa com o veículo Celta quando notou que estava sendo seguido. Ele ligou para o amigo e o manteve na linha até chegar em casa. Mas, assim que encostou o carro, do outro lado da rua, e desceu para abrir o portão foi alvejado com diversos disparos. Inicialmente, a versão da polícia é que a vítima teria ligado para o irmão, antes do crime, o que foi negado pela família. Segundo eles, Lara teria ligado para outra pessoa, já que os irmãos não tinham envolvimento rotineiro.

O perito José Silvestre de Ornelas Júnior do Instituto de Polícia Científica afirmou que a vítima foi morto com, pelo menos, nove tiros. “Era uma pistola semi-automática e foi praticamente descarregada na vítima porque foram seis tiros nas costas, um na cabeça, um no braço e outro no abdômen. Todos a curta distância”, descreveu o perito.

Segundo a Polícia Civil, a motivação ainda é desconhecida. Investigadores da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investigam o caso.

rua-betonexzVítima era ‘do bem’, disseram vizinhos. Foto: AN/banda B

Piraquara

Quase simultaneamente, Gerson Henrique, 28 anos, também foi morto a tiros na rua Betonex, no Jardim Holandês, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba. Conhecido como ‘Cabuloso’, a vítima foi morta em frente a uma lanchonete e ninguém disse ter visto o crime.

O soldado Jymi da Polícia Militar (PM) disse que a única informação repassada no local é que um homem encapuzado atirou contra o rapaz. “Disseram que um homem encapuzado disparou um tiro na boca dele e fugiu, só isso que sabemos”, disse à Banda B.

A vizinha da vítima, identificada apenas como Dona Cris, disse que Gerson era uma pessoa do bem e foi morto por ter amizades com pessoas erradas.  “Ele tinha problema com álcool, nossa foi uma fatalidade, morava aqui perto, era uma pessoa do bem. Morreu porque andava com outras pessoas e acabou pagando o pato “, disse a vizinha.

O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Delegacia de Piraquara investiga o caso.