Em depoimento prestado à Delegacia de Almirante Tamandaré, na região metropolitana, o motorista da linha Rio Branco – Curitiba negou ser o autor do disparo que matou um assaltante na Rodovia dos Minérios. De acordo com informações levantadas no local, um atirador misterioso seria o responsável pelo disparo, mas o depoimento do motorista levantou suspeitas da polícia nesta terça-feira (24).

Foto: Djalma Malaquias/Banda B

Segundo o delegado Tiago Dantas, é estranho que o disparo do ‘atirador misterioso’ tenha ocorrido durante uma briga entre o motorista e o assaltante. “É difícil de acreditar nessa versão, uma vez que se entrou em luta corporal e aí houve o disparo, muito provavelmente ele desarmou o assaltante e aí ocorreu o disparo. Ele não quis dizer se foi isso mesmo que ocorreu, mas já requisitamos imagens e testemunhas da região para confirmar o desqualificar a versão”, disse.

No local, testemunhas informaram que o suspeito baleado e um comparsa invadiram o coletivo na região do bairro Bonfim e deram voz de assalto. Durante o roubo, o criminoso começou a agredir o motorista e houve luta corporal entre os dois. Um atirador teria se aproximado a atingido a cabeça do rapaz.

Em depoimento, o motorista confirmou a versão. “Ele informou que os dois assaltantes, já munidos com arma de fogo, anunciaram o assalto e foram em direção a ele para pegar o celular. Ao tirar o cinto, a luta corporal teria se iniciado. Sobre o disparo, ele apenas disse que não soube de onde partiu”, concluiu Dantas.

O motorista do ônibus, pelo menos por enquanto, é ouvido como testemunha, mas isso pode mudar ao longo das investigações.

A Delegacia de Almirante Tamandaré segue investigando o caso.