O motorista que provocou o atropelamento e morte do servente Marcelo da Trindade, durante suposto racha na BR-277, em Curitiba, voltou a ser preso nesta quinta-feira (20), desta vez por tráfico de drogas. De acordo com a Polícia Civil, uma estufa para a produção de maconha e sementes da droga foi encontrada na casa de Silvio Eduardo de Alencar Santos, em Guarapuava, no Centro-Sul do Estado.

Reprodução

No dia do atropelamento, Alencar dirigia um automóvel BMW. Segundo laudo do Instituto de Criminalística, ele foi flagrado dirigindo a 160 km/h minutos antes de atingir o servente da concessionária CCR Rodonorte.

O delegado Leonardo Carneiro, da Delegacia de Delitos de Trânsito (Detran), explicou que a estufa foi encontrada por um trabalho conjunto entre as polícias Civil de Curitiba e Guarapuava. “Quando ele foi ouvido na unidade, desconfiamos da renda e dos bens, já que não encontramos compatibilidade. Nossas suspeitas se confirmaram e agora temos fortes indícios de que ele adquiriu os bens por meio de atividades ilícitas”, explicou.

Com o mandado de busca e apreensão autorizado pela Justiça, a Polícia Civil encontrou a estufa artesanal adaptada por uma CPU de computador, além de um temporizador analógico, um triturador da droga e sementes para a plantação.

Alencar passa agora a responder por homicídio com dolo eventual em Curitiba e tráfico de drogas em Guarapuava.

Selfie

No dia do acidente que matou Marcelo da Trindade, Alencar tirou uma selfie imediatamente após o atropelamento. A imagem está anexada ao inquérito da Dedetran. A defesa de Alencar, porém, garante que a imagem foi tirada sem querer, por um mecanismo próprio do aparelho celular.

Outra imagem que chama a atenção do inquérito é uma que mostra o velocímetro da BMW a 200 km/h minutos antes do acidente.

Investigação

Além de Silvio, o médico dermatologista Ulisses Misima Ribeiro, de 43 anos, foi preso suspeito de participar do racha. Ele é apontado pela Dedetran como o motorista do veículo Volvo que aparece em imagens numa suposta competição automobilística contra a BMW. Ribeiro responde ao processo em liberdade.