Por Marina Sequinel

O segundo jovem atingido pelo suposto tiro acidental de um policial militar morreu na noite desta segunda-feira (9) no Hospital Evangélico, em Curitiba. Diogo Willian Ribeiro, de 26 anos, foi ferido na cabeça durante uma confusão em um bar no bairro Novo Mundo no último domingo (8).

diogoDiogo morreu aos 26 anos (Foto Reprodução)

Ele era sobrinho de Sandra Mara Rangel, 42, que morreu na hora ao levar um disparo no rosto. “O que eu espero agora é justiça. Eu não quero que o Diogo vire só mais um número na estatística. Como um inocente morre desse jeito por negligência da polícia? A minha ex-cunhada se foi e agora vou velar um filho, que não volta mais. É muito sofrimento”, disse Marilene Ribeiro, mãe da vítima, em entrevista à Banda B nesta terça-feira (10).

Segundo ela, o mais importante agora é evitar que o mesmo aconteça com outras famílias. “Para mim, foi total despreparo de um policial que foi abordar quatro pessoas, entre elas duas mulheres, com uma arma pesada em punho. O meu filho estava na hora errada e no lugar errado e o que aconteceu com ele não pode se repetir com outros inocentes”, completou ela.

A família doou os órgãos de Diogo e, devido ao procedimento, o corpo do rapaz deu entrada no Instituto Médico Legal na manhã de hoje. Ele será sepultado nesta quarta-feira (11) em Campo Magro, na região metropolitana de Curitiba.

O caso

Um policial do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM) matou uma mulher em um suposto tiro acidental após uma confusão em um bar na Avenida Brasília. Outra mulher e um jovem também foram feridos e encaminhados a hospitais. O rapaz, Diogo, morreu na noite de ontem.

Segundo pessoas que estavam no estabelecimento, um homem bêbado, que foi apontado como sendo PM, sacou uma arma para os clientes que estavam no local durante uma discussão. Não há informações sobre o motivo da confusão.

A área do Novo Mundo pertence ao 13º BPM, mas o próprio policial que sacou a arma teria acionado a equipe da Ronda Ostensiva Tática Móvel (Rotam) do 23º, que atende a região da Cidade Industrial. Pouco tempo depois, a espingarda calibre 12 de um dos policiais da Rotam, que chegou para conter a situação, teria disparado acidentalmente, segundo relataram testemunhas, atingindo três pessoas. Uma munição de calibre 12 tem três balotes de chumbo, podendo atingir vários alvos com um só disparo.

Notícias relacionadas

PM diz que policiais que causaram tragédia no Novo Mundo tinham intenção de evitá-la

Arma de policial dispara durante confusão em bar; mulher morreu na hora e outros dois ficaram feridos