A mulher de 33 anos que abandonou a filha recém-nascida na calçada, logo após o parto, será indiciada por tentativa de homicídio. A informação foi repassada à imprensa nesta quinta-feira (7), pelo delegado José Barreto, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria). A mulher, que está internada no Hospital do Trabalhador com escolta policial, já teve a prisão decretada e deve ser encaminhada ainda hoje para a delegacia. Ela foi presa em flagrante logo após o abandono, na madrugada desta quarta-feira (6), no bairro Rebouças, em Curitiba.

Menina foi abandonada na calçada – Foto PM/PR

O bebê, resgatado por dois policiais militares que passavam pelo local, passa bem e permanece na UTI neonatal do mesmo hospital em que a mãe foi internada.  A equipe do 23º Batalhão da Polícia Militar voltava de uma ocorrência no Centro de Curitiba, por volta das 4 horas,, quando alguém chamou a atenção dos policiais sobre algo estranho na rua. A dupla parou e viu a criança no chão, enrolada em um pano, na esquina da Rua João Negrão com a Avenida Getúlio Vargas. A mãe foi encontrada logo depois, passando mal, no Terminal do Guadalupe. Ela foi recolhida pelo SAMU e hospitalizada.

De acordo com o delegado Barreto, uma testemunha contou em depoimento, que a mulher demonstrou desprezo pela criança logo após o parto.

“Esta testemunha relatou que encontrou a mulher ensanguentada, notou que ela tinha dado à luz e perguntou onde estava a criança. A mulher respondeu que não queria o filho e disse ainda: “Tirei aquilo de mim”. Este comportamento, aliado ao frio que fazia na madrugada, ao abandono  num local deserto e a total indiferença da mãe em relação ao filho, nos permitiu definir pelo indiciamento da acusada por tentativa de homicídio. Ela assumiu o risco da criança morrer ali”, disse o delegado.

Delegado José Barreto, do Nucria – Foto Banda B

O delegado informou ainda que a mulher, que é moradora de rua, deverá passar por exames para verificar sua sanidade mental. “Assim que ela sair do hospital, virá aqui para o Nucria e tentaremos a transferência para o Complexo Médico-Penal de Pinhais para que ela receba o tratamento adequando e seja constatado se há ou não um distúrbio mental”, completou o delegado.

A polícia vai investigar para tentar descobrir quem é o pai da menina, que passa bem e deverá ser encaminhada a um abrigo. O Conselho Tutelar tenta localizar algum parente próximo para que a Justiça possa definir o futuro da criança.

No hospital, as assistentes sociais relataram à polícia que a mãe demonstrou total indiferença ao estado de saúde da criança e nem quis saber o sexo.

A acusada não tem antecedentes criminais.

Relacionada: