A 2ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, negou o pedido de prisão contra o motorista que atropelou e matou o policial militar Lukas Raffael Gasparin Brandt, de 29 anos. O pedido havia sido feito pelo delegado Amadeu Trevisan, que alega que imagens de câmeras de segurança mostram que Joel Bin, de 44 anos, estaria visivelmente imprudente no momento do acidente. Em entrevista à Banda B nesta terça-feira (23), a defesa elogiou a decisão.

Joel Bin esteve na delegacia na última semana (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

Para o advogado de Bin, Maurício Zampieri, a defesa foi pega de surpresa com o pedido de prisão. “Na sexta-feira passada, o acusado se apresentou para dar sua versão, mas não foi recebido nem pelo delegado, nem pelo escrivão de polícia. Apenas hoje, ficamos sabendo o motivo, que foi a representação pela prisão preventiva. A juíza rechaçou, de maneira correta, lembrando que o acusado é primário, tem residência fixa, nunca respondeu a processo criminal e que não haveria motivos para a prisão. Hoje entendemos o motivo da negativa em sermos atendidos”, disse.

O acidente que matou Lukas aconteceu na noite de 14 de julho, na Alameda Arpo, no Jardim Cruzeiro. O policial voltava para casa de moto depois de um turno de trabalho, quando um caminhão invadiu a pista contrária e passou por cima da motocicleta. O momento da colisão foi registrado por uma câmera no local.

Na semana passada, Bin contou ainda que durante o almoço costuma tomar algumas cervejas, mas que não estava embriagado e que teria cochilado por conta do uso de medicamentos controlados.

A Delegacia de São José dos Pinhais investiga o caso.