A Justiça de São Paulo liberou nesta segunda-feira (16) 40 homens detidos durante rinha de cães em Mairiporã, na Grande São Paulo. Apenas um peruano, que seria o organizador do evento, foi mantido detido por uma prisão preventiva decretada. Na manhã de hoje, mais cinco cães usados por um dos envolvidos na rinha foram localizados em São José dos Pinhais.

 

De acordo com o delegado Matheus Laiola, da Delegacia do Meio Ambiente, os cães resgatados nesta terça-feira são de um dos detidos em Mairiporã e, por isso, estavam abandonados desde então. “Nossa investigação se confirmou e conseguimos encontrar cinco cães pit bulls treinados para as rinhas de cachorros. Estavam sem água nem nada, em um stress muito intenso. Todos machucados e com cicatrizes”, descreveu à Banda B.

Sobre a liberação dos envolvidos no crime, o delegado lamentou, mas disse que isso não mudará o empenho da especializada. “A gente não recebe com surpresa, porque estamos acostumados a enxugar gelo. São meses de investigação para que a pessoa fique em liberdade, mas fazemos de tudo para que isso não nos desanime”, disse.

Rinha de cães

Na ocasião, 40 pessoas foram presas, entre elas médicos, veterinários, um policial militar, cinco estrangeiros e alguns adolescentes. O grupo se reunia no município de Mairiporã, localizado na Região Metropolitana de São Paulo, para a prática criminosa.

Cães selecionados

A Polícia Civil de São Paulo apreendeu R$ 47 mil no local, mas os valores exatos do quando a rinha custava ainda não foi divulgado. “Acreditamos que sejam valores altos, estima-se cachorro avaliado em aproximadamente R$ 200 mil, selecionados geneticamente e treinados para isso. Dificilmente um cão desse volta a ter convívio com outros animais. São cães extremamente dóceis, mas se colocar outro do lado, eles se matam”, completou Laiola.

O delegado disse que o grupo era extremamente organizado e utilizava camisetas com o nome do evento e pesagem dos animais. “Um duelo internacional. Eles faziam apostas onlines, além das pessoalmente, para causar um intenso sofrimento à esses animais”, finalizou.