A juíza Mychelle Pacheco Cintra Stadler adiou, nesta segunda-feira (8), o júri popular do delegado Erik Busetti, acusado de matar a tiros a esposa e a enteada, de 41 e 16 anos respectivamente. Segundo apurou a Banda B, a suspensão aconteceu após pedido da defesa e foi consentida pelo Ministério Público do Paraná.

O julgamento teve início por volta das 9h30, no Tribunal do Júri situado no bairro Centro Cívico, em Curitiba (PR). Ele é acusado pelo duplo feminicídio da esposa, Maritza Guimarães de Souza, e da enteada, Ana Carolina de Souza, de 16. Para o Ministério Público do Paraná (MPPR), o crime foi cometido com motivo torpe, pois ele não aceitava o fim de relacionamento.

WhatsApp Image 2024-04-08 at 11.27.05
Os advogados Adriano Bretas e Claudio Dalledone Jr. – Foto: Djalma Malaquias/Banda B

O advogado que representa Erik Busetti, Claudio Dalledone Jr., argumentou que não teve tempo de analisar novos materiais anexados aos autos do processo na última sexta-feira (5). Segundo o advogado, falta analisar imagens registradas pelas câmeras de segurança da casa onde vivia a família e fotos da necropsia das vítimas, por exemplo.

“A defesa ponderou e está com a razão. Tanto assim é que o Ministério Público consentiu com o requerimento da defesa, e a juíza, que também teve essa sensibilidade, acabou adiando o julgamento para que venha todo o contexto probatório”, afirmou Dalledone.

A presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado (Sinclapol), Valquíria Gil Tisque, que esteve em um protesto para cobrar justiça sobre o caso, disse que a categoria se vê indignada por causa do adiamento.

“Altamente indignados! Há uma revolta muito grande não só dos colegas da Maritza, mas de toda a população e, principalmente, de nós mulheres. Foi, sim, um crime contra a mulher, um feminicídio caracterizado de forma absurda”, disse a presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado (Sinclapol), Valquíria Gil Tisque, sobre o adiamento do júri.

A nova sessão de julgamento foi marcada para começar no dia 1º de julho.

Feminicídio e possíveis irregularidades

Mais cedo, em entrevista à Banda B, Dalledone afirmou que pretendia, durante o julgamento, “desconstruir a narrativa de que ele cometeu um feminicídio” – crime baseado em ódio contra o gênero.

Júri popular de delegado acusado de matar esposa e enteada é suspenso
A escrivã da Polícia Civil Maritza Guimarães de Souza e a filha Ana Carolina de Souza – Foto: Reprodução

“O que aconteceu foi uma tragédia! Mas ele jamais apertou aquele gatilho porque ela era mulher ou por estar sendo rejeitado. O grande embate é provar que ela acabou falecendo por ser mulher. A interpretação da acusação com aquelas imagens é uma. A interpretação da defesa com as imagens e tudo que consta nos autos vai fazer com que Erik tenha, na medida da sua culpabilidade, uma adequação no apenamento”, afirmou Dalledone antes de sustentar que a “defesa não vai tapar o sol com a peneira”.

A defesa também disse que o início do julgamento deveria ser marcado pela análise de possíveis irregularidades. “Todo grande julgamento precisa passar por uma peneira muito grande para saber se nenhuma nulidade, forma que possa comprometer esse julgamento, não seja observada”, disse.

Salário mesmo preso

Levantamento feito pela Banda B aponta que o delegado Erik Wermelinger Busetti recebeu pelo menos R$ 1.136.483,27 em salários brutos desde que foi detido em flagrante pelo crime, há exatos quatro anos, um mês e quatro dias.

Júri popular de delegado acusado de matar esposa e enteada é suspenso
Delegado é visto segurando a arma usada no crime – Foto: Reprodução.

O valor total da remuneração recebida pelo réu por duplo feminicídio desconsidera 13.º salário e pagamentos por férias. Caso sejam levados em conta, somente esses valores somam R$ 93.944,41. Segundo o Portal da Transparência, Erik Busetti possui vínculo ativo com o Estado do Paraná desde abril de 2004.

Acesso ilegal a sistema

Erik também é acusado de acessar, de forma indevida, o sistema interno da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) de dentro da prisão. A primeira denúncia sobre o acesso ilegal ao sistema foi feita pelo Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado (Sinclapol) em novembro de 2021.

O crime

O delegado Erik Busetti é acusado de matar a tiros a esposa e a enteada no dia 4 de março de 2020, na casa em que viviam, no bairro Atuba, em Curitiba (PR). Uma câmera de segurança instalada no interior do imóvel registrou os assassinatos. À época, ele foi preso em flagrante.

Júri popular de delegado acusado de matar esposa e enteada é suspenso
O servidor Erik Busetti fala ao telefone enquanto esposa e enteada estão mortas e abraçadas no chão – Foto: Reprodução.

Maritza Guimarães de Souza era escrivã da Polícia Civil, e Erik Busetti atuava na Delegacia do Adolescente. O crime ocorreu enquanto a filha do casal, de 9 anos, estava dormindo em um dos quartos da casa.

O delegado teria agredido a enteada com chutes e tapas e a assassinado no momento em que ela abraçou a mãe. A esposa teria sido atingida por pelo menos sete tiros, enquanto a adolescente, seis.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Júri popular de delegado acusado de matar esposa e enteada é adiado

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.