Edison e Cristiana Brittes. Foto: Reprodução

 

O depoimento de uma testemunha que teria tido um affair com o Daniel Correa Freitas, 24 anos, no dia do crime durante a festa de aniversário de Allana Brittes, 18 anos, possui um trecho em que Juninho Riqueza, autor confesso da morte do jogador, confessa ter dado ‘uns tapas’ na esposa Cristiana Brittes. Os três estão presos acusados de homicídio.

Depois de ter retornado com os jovens no carro, Juninho confirmou ‘matei ele’, quando perguntado por Daniel. O silêncio, segundo a testemunha, se instaurou na casa dos Brittes. Horas depois, todos se reuniram na sala e Juninho Riqueza disparou que ‘havia matado o gambá’, completando ‘eu vi ele no meu quarto , com a minha mulher, vocês têm noção disso? Eu não ia aguentar’, relata a testemunha à polícia.

Nesse momento, Juninho Riqueza contou a todos que estavam na casa que teria dado tapas no rosto da esposa, assim que entrou no quarto. ‘Junior havia ido ao quarto e a porta estava fechada, o que estranhou, indo até a janela, onde viu Daniel no quarto, sendo que ele tentou se esconder, então, Júnior entrou, deu tapas no rosto da Cris e começou a agredir Daniel’, diz o depoimento da testemunha.

Até o momento, seis pessoas estão presas pelo homicídio: Edison Brittes Junior, o ‘Juninho Riqueza’; a esposa dele, Cristiana; a filha do casal, Allana; e os três jovens que estariam no carro que levou Daniel até a Colônia Mergulhão, onde foi assassinado: Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, de 19 anos, David Willian Villero Silva, de 18, e Ygor King, de 20.

O caso

O jogador Daniel Correa Freitas, de 24 anos, foi encontrado morto na manhã de 27 de outubro, na zona rural de São José dos Pinhais. Ex meia de Coritiba e São Paulo, ele atualmente atuava no São Bento, time da série B do Campeonato Brasileiro. De acordo com a polícia, ele estaria em uma festa e foi morto após enviar fotos de Cristiana Brittes para amigos em um grupo de WhatsApp.