O delegado Erik Busetti, acusado de matar a esposa e a enteada a tiros em março de 2020, começa a ser julgado nesta segunda-feira (1º) no Tribunal do Júri, em Curitiba (PR). Preso desde a data do crime, o delegado deve enfrentar um julgamento de três dias.

Erik Busetti foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) pelo duplo feminicídio da esposa, Maritza Guimarães de Souza, e da enteada, Ana Carolina de Souza. Maritza tinha 41 anos e era escrivã da Polícia Civil. A filha dela tinha 16 anos. Para a Promotoria, o crime foi cometido com motivo torpe, pois ele não aceitava o fim de relacionamento.

delegado-mata-esposa-enteada-2020-crime
Câmera mostra delegado fazendo ligação após matar esposa e enteada, que estão caídas no chão – Foto: Reprodução/Câmera de segurança

O julgamento do delegado estava previsto para ocorrer em abril, mas foi adiado a pedido da defesa dele. Os advogados solicitaram acesso a imagens geradas por câmeras de segurança da casa onde as vítimas foram mortas, que totalizam mais de 100 horas de gravação.

“Depois de analisarmos todo esse material, tivemos a certeza de que o que aconteceu com aquela família foi um homicídio emocional, uma tragédia que acometeu aquele lar. Está descartada a hipótese de Erik ser um feminicida. Ele não matou por desprezo à condição de mulher e não era um homem violento com aquelas mulheres. Pelo contrário, cuidava daquela família com todo zelo e desempenhava as funções de pai e mãe”, diz a advogada de defesa do delegado, Aline Vasconcellos.

O crime

O delegado Erik Busetti é acusado de matar a tiros a esposa e a enteada no dia 4 de março de 2020, na casa em que viviam, no bairro Atuba, em Curitiba. Uma câmera de segurança instalada no interior do imóvel registrou os assassinatos.

O crime ocorreu enquanto a filha do casal, de 9 anos, estava dormindo em um dos quartos da casa. O delegado teria agredido a enteada com chutes e tapas e a assassinado no momento em que ela abraçou a mãe. A esposa teria sido atingida por pelo menos sete tiros, enquanto a adolescente, seis.

Acesso a sistema dentro da prisão

Erik também é acusado de acessar, de forma indevida, o sistema interno da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) de dentro da prisão. A primeira denúncia sobre o acesso ilegal ao sistema foi feita pelo Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado (Sinclapol) em novembro de 2021.

Embora esteja preso, o delegado ainda possui vínculo ativo com o Governo do Paraná, segundo o Portal da Transparência. A última remuneração recebida por ele foi de R$ 26.762,70, em maio de 2024.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Julgamento de delegado acusado de matar esposa e enteada a tiros começa nesta segunda-feira

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.