Um jovem morador de rua, de 26 anos, confessou ter matado o cabeleireiro Marcos César Milleo, de 61 anos, em uma cobertura do bairro Água Verde, em Curitiba. De acordo informações divulgadas pela Polícia Civil nesta quinta-feira (26), o autor do crime foi identificado em um pronto-socorro da capital, após ser espancado a mando de traficantes de drogas. Durante o interrogatório na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ele alegou ter matado Milleo após uma discussão.

Imagens de câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar suspeito (Reprodução)

O crime aconteceu em 13 de maio de 2019. Segundo o Tito Lívio Barichello, o detido alegou que foi escolhido aleatoriamente para um trabalho de pintura no apartamento. “Ele disse no interrogatório que, como estava sem dinheiro, aceitou a possibilidade de realizar um trabalho de pintor no apartamento. Mas, ao chegar lá, tomou algumas cervejas com a vítima e foi quando a briga começou. O certo é que ele empurrou a vítima, que bateu a cabeça em um criado mudo, e depois sufocou e esganou”, explicou.

Câmeras de segurança do prédio em que Milleo morava flagraram o momento em que o suspeito e a vítima chegaram juntos no prédio, por volta das 16h30. Há registro também do momento em que o morador de rua deixa o local sozinho, por volta das 23 horas. No vídeo é possível perceber que ele carrega uma sacola com objetos que teria furtado da vítima e com uma roupa diferente da que estava quando chegou.

À Banda B, o delegado admitiu que foi muito difícil encontrar o autor, mesmo com as imagens. “Como ele não possui residência física e não havíamos conseguido uma identificação precisa com as testemunhas, só conseguimos realizar a prisão após ele dar entrada no hospital por espancamento”, comentou.

Suspeito está preso na DHPP (Divulgação Polícia Civil)

Questionado se o caso poderia se tratar de um crime passional, o delegado disse não acreditar, já que o criminoso deixou para trás um anel de ouro e mais objetos da residência.

Celular

Como o celular da vítima foi levado pelo jovem de 26 anos após o crime, boa parte da investigação se concentrou em rastrear o aparelho. Inicialmente a Polícia Civil chegou até um grande ponto de tráfico de drogas, onde soube que ele havia trocado o eletrônico por sete pedras de crack.

Para o delegado, o preso pode ter sido espancado justamente por envolver a polícia com este ponto de tráfico. “Como envolveu a delegacia, acreditamos que sofreu sim a represália. Porque no dia que chegamos até este local, no bairro Novo Mundo, realizamos a prisão do traficante e a apreensão de uma grande quantidade de entorpecentes”, comentou.

Na ocasião, a polícia apreendeu 908 invólucros de crack, 300 de cocaína e 88 de maconha.

Detido, o acusado pela morte do cabeleireiro vai responder por homicídio qualificado com emprego de asfixia.

Vítima

Marcos César Milleo era bastante conhecido na capital paranaense, tendo trabalhado em salões de beleza em áreas nobres de Curitiba. Atualmente, ele trabalhava em um shopping do bairro Batel.