O homem que foi filmado agredindo uma mulher com socos no município de Ilhéus, sul da Bahia, foi preso na tarde desta quarta-feira (21).

O representante de vendas Carlos Samuel Freitas Costa Filho, 31, estava com mandado de prisão em aberto desde a semana passada, quando a Justiça decretou a sua prisão preventiva após pedido do Ministério Público do Estado da Bahia. Desde então, era considerado foragido.

Carlos Samuel apresentou-se voluntariamente na sede 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior, em Ilhéus, acompanhado de dois advogados. Ele passará por exames de corpo de delito e será encaminhado para o sistema prisional.

O caso ganhou repercussão nacional após a divulgação das cenas da agressão e motivou o pedido de prisão preventiva pela Promotoria.

O vídeo em que Carlos agride uma mulher, ainda não identificada, tem quase um minuto de duração. Na imagem, registrada por outra mulher, que observava a cena de um pavimento superior, o agressor empareda a vítima contra um veículo estacionado na rua.

“Me solte e vá embora. Você se acha, porque você é amigo de polícia? Eu vou dar queixa de você aqui. Aqui, minha boca já está do jeito que está”, reclamou a mulher, momentos antes de ser espancada com uma sequência de socos no rosto.

Foto: Reprodução

Mesmo ciente de que estava sendo filmado, o agressor não se intimidou e ainda desafiou a pessoa que filmava a mandar outro homem descer para confrontá-lo. “Ei, cadê ele aí, que você falou que ia mandar descer para mim? Manda ele descer, que eu quero ver”, disse, com a voz embolada.

A vítima pede que o agressor desencoste dela e afirma que daria queixa. A partir dessa afirmação, Carlos Samuel inicia uma sequência de socos na vítima até ela cair no chão. Em seguida, sai caminhando pela rua.

Segundo informações da Polícia Civil da Bahia, essa não é a primeira vez que Costa Filho agride mulheres, inclusive com boletim de ocorrência de violência com a própria mãe. Já são 11 agressões registradas contra ele na Delegacia da Mulher de Ilhéus, incluído o caso revelado na última semana.

Ainda conforme a Polícia Civil, o investigado já foi alvo de três inquéritos por violência doméstica, procedimentos finalizados e remetidos à Justiça ainda em 2015 e 2016. Outros sete boletins também foram registrados na mesma unidade policial.

As investigações, no entanto, não foram adiante porque as vítimas se recusaram a dar prosseguimento ao inquérito policial, diz o a nota da Polícia Civil.

Antes de ter a prisão decretada, Carlos Samuel esteve na delegacia na última quinta-feira (15) e foi liberado após 4h30 de depoimento. Na ocasião, ele foi liberado por não haver flagrante. A prisão foi decretada poucas horas depois do depoimento.

Responsável pelas investigações, o delegado Evy Paternostro informou que o inquérito policial está em fase de conclusão.

O advogado do suspeito, Caique Santana Mota, disse à Folha na última sexta-feira (16) que a agressão ocorreu na noite de 20 de junho, E afirma que, antes da cena gravada, foi a vítima quem teria agredido Carlos com murros nas costas.

“Naquela noite, eles consumiram bastante bebida alcoólica. Houve uma crise de ciúme por parte dela, que o agrediu na presença de testemunhas. Claro que não justifica [os socos], não há como negar. Ele reconhece que se excedeu, que perdeu o controle”, disse o advogado.

Procurado novamente, o advogado afirmou que aguarda a audiência de custódia, mas informou que a defesa não iria dar novas declarações sobre a prisão e a condução do inquérito.