O empresário Everton Gonçalves, de 32 anos, acusado de mandar matar o seu sócio Célio Roberto Soares, 35 anos, que descobriu desvio de verbas dentro da empresa de vigilância, está foragido. Ele teve o mandado de prisão preventiva decretado pelo Tribunal de Justiça do Paraná. O caso aconteceu em Araucária, na região metropolitana de Curitiba.

O empresário Everton Gonçalves que está foragido (Foto: Reprodução)

Em entrevista à Banda B, a irmã de Célio, Célia Regina Soares de Campos, disse que Everton tinha prometido se entregar à polícia assim que saísse um mandado de prisão. “Ele não cumpriu com a palavra dele, não se entregou, não compareceu à delegacia. Estamos esperando, já que ele fala que é inocente. Quem não deve, não foge como ele tá fazendo. Queremos justiça”, disse Célia.

Para o Ministério Público do Paraná (MPPR), Everton criou uma emboscada ao sócio criando uma reunião no fim do dia e deixando o portão aberto para o executor do crime, um homem ainda não identificado nos autos.

Nos autos, a motivação para o crime seria a descoberta de Célio sobre desvios feitos pelo sócio, mandante do crime.

Célio foi morto a tiros (Foto: Reprodução)

“A gente sente falta do Célio em tudo, desde um almoço até quando a gente deita na cama para dormir. O filho dele ainda chama pelo pai, chora e está em tratamento com psicólogo porque sente a falta do pai”, revelou a irmã de Célio.

Crime

O sócio Célio Roberto Soares de Campos, 35 anos, foi morto a tiros em um suposto assalto, na noite do dia 15 de março de 2019, na sede da empresa que fica na Rua Júlia Theresa Bini, quase com a Avenida Brasil, no Centro de Araucária, na região metropolitana de Curitiba.

Na noite do crime, Everton estava junto de Célio. Para a polícia, que chegou logo depois, ele relatou que seu sócio fez um movimento ‘abrupto’ e que, por isso, o criminoso teria atirado.