Mauro e Claudete eram casados há 30 anos na ocasião do crime. (Foto: Reprodução/Facebook)

 

O julgamento de Mauro Sampietri, acusado de matar e assar partes do corpo da esposa em uma churrasqueira, deve acontecer na próxima segunda (10) e terça-feira (11) no Tribunal do Júri, em Curitiba. O corpo da vítima, Claudete Bohme Sampietri, de 59 anos, foi encontrado no dia 21 de janeiro de 2017 sem a cabeça, braços e pernas no bairro Weissópolis, em Pinhais, na região metropolitana.

Segundo a assistente de acusação do caso, a advogada Juliana Molina, a família da vítima não tem dúvidas de que Mauro é o responsável pela morte de Claudete. “O que se espera é que seja feita a justiça, que ele seja condenado e os familiares possam ter sossego. Muitos têm medo que ele saia da cadeia e faça algum mal, principalmente para a filha, que denunciou e reuniu provas contra o pai”, disse ela em entrevista à Banda B.

O corpo de Claudete foi encontrado três dias após o seu desaparecimento. (Foto: Reprodução)

De acordo com a advogada, vários aspectos da vida de Mauro indicam que ele é uma pessoa capaz de cometer atrocidades. “Existe a suspeita de que ele teve envolvimento na morte dos pais em Campinas, em São Paulo, em 1997. O crime prescreveu, por ter acontecido há mais de 20 anos, e nada foi provado, mas os parentes têm certeza que foi ele. Além disso, o réu possui antecedentes por ameaça”, completou.

Mauro foi detido dois meses após a descoberta do corpo de Claudete. Ele chegou a ser liberado mais de uma vez, mas a Justiça voltou a decretar a prisão preventiva em março deste ano.

Provas

Para a assistente de acusação, entre as provas mais importantes do caso estão o exame de DNA realizado no corpo, que confirmou a identidade de Claudete, e outras evidências encontradas na residência onde o casal vivia, no bairro Cajuru, em Curitiba. “A perícia achou respingos de sangue humano na grelha e na faca de churrasco. Mauro alega que machucou a mão, mas nós não acreditamos que isso tenha acontecido”, comentou.

A acusação defende que Mauro assou partes do corpo de Claudete na churrasqueira. A cabeça, os braços e pernas não foram localizados até hoje.

Caso

O cartaz de desaparecimento de Claudete foi divulgado no dia 18 de janeiro de 2017 pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Após três dias, em uma manhã de sábado, o corpo foi encontrado em um matagal. Quase dois meses depois, o Instituto Médico Legal (IML) confirmou a identidade da vítima, resultando na prisão de Mauro.

Casado há 30 anos, o casal tem três filhos juntos. Antes do desaparecimento, Claudete viajou para a cidade da família e falou sobre a intenção de se separar, o que não teria sido aceito pelo marido.