A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (20/6) a Operação Counterfeit, com o objetivo de desarticular uma rede criminosa especializada na venda de medicamentos falsificados para órgãos públicos. Estão sendo cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva, além de sequestro de bens, em Curitiba e outras cidades do país.

A investigação teve início a partir de informações fornecidas pela Polícia Civil do Estado do Paraná que apontaram que uma empresa vencedora de uma licitação em 2022 para fornecer imunoglobulina ao Hospital Geral de Curitiba estaria envolvida no fornecimento de medicamentos falsificados.

WhatsApp Image 2024-06-20 at 07.39.03
Foto: Divulgação/PF

Após a apreensão dos medicamentos, a Polícia Federal confirmou a falsificação completa dos remédios, desde as caixas, falsamente identificadas, até a sua composição, na qual se constatou a ausência de imunoglobulina, como deveria conter.

De acordo com as investigações, os remédios falsificados tinham origem na Bolívia. Dois estrangeiros, um dos quais estudante de medicina, foram identificados como os principais suspeitos pela comercialização dos medicamentos.

As investigações revelaram que o grupo criminoso investigado conseguiu vender aproximadamente R$ 11 milhões em medicamentos falsificados de imunoglobulina para órgãos públicos no estado do Paraná.

Um dos órgãos que recebeu medicamentos falsos foi o Hospital Geral de Curitiba (HGeC), onde foi pacientes teriam recebido o remédio. “As investigações dão conta de que esse remédio vendido com licitação para o Hospital do Exército Brasileiro é um remédio de imunoglobulina e está totalmente falsificado, desde a composição até a caixa. Ele foi entregue ao Hospital do Exército e temos notícias de aplicação em dois pacientes, que não tiveram danos”, disse o delegado Calabresi, da PF.

WhatsApp Image 2024-06-20 at 07.39.03 (1)
Foto: Divulgação/PF

As outras cidades alvos da operação são Francisco Beltrão/PR, Corumbá/MS, Ladário/MS, Campo Grande/MS, Birigui/SP, São Caetano do Sul/SP, Rio de Janeiro/RJ, Nova Iguaçu/RJ e Jacobina/BA.

Os envolvidos estão sendo investigados por crimes como associação criminosa, fraude à licitação e falsificação de medicamentos.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Grupo que teria vendido R$ 11 mi em medicamentos falsos para órgãos públicos no PR é alvo de operação da PF

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.