Um casal suspeito de aplicar golpes do bilhete premiado foi preso pela Polícia Civil, na manhã desta terça-feira (30), em Curitiba. As prisões aconteceram em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Os policiais civis também cumpriram buscas no município e apreenderam diversos documentos e o veículo utilizado na pratica criminosa. O golpe usado para tirar vantagens e valores das vítimas é um dos mais antigos e conhecidos – o do bilhete premiado.

Segundo as investigações, os golpes começaram nas ruas da cidade, chamando atenção de pessoas que caminhavam sozinhas. O delegado Emmanoel David, que comanda as investigações, detalhou o crime, afirmando que, ao menos, duas pessoas estão envolvidas no golpe.

 

Policiais civis cumpriram mandados de busca na manhã de hoje. Foto: PC Divulgação

 

“Um dos autores, o homem preso, fingia ser uma pessoa simples, um caipira. Ele abordava as vítimas perguntando onde tinha uma agência da Caixa Econômica Federal, onde ele poderia trocar um bilhete premiado de valores altos, como R$ 10 milhões para cima. Ele andava bastante tempo pelas ruas ao lado dessa vítima, até que chega um outro estelionatário, que se passa por culto, advogado, médico, engenheiro, fingem que ligam para a Caixa Econômica, conseguem envolver a vítima de uma maneira que ela entra no carro dos estelionatários e os leva até em casa, oferecendo dólares, euros, valores altos a eles, que fogem e nunca mais aparecem”, contou ele.

 

 

Cinco vítimas fizeram reconhecimento fotográfico e também farão pessoalmente, na delegacia.

Ambição

O golpe é antigo, mas a ambição por um lucro fácil ainda faz diversas vítimas. “Nesse golpe do bilhete há uma contribuição forte da vítima para que dê certo. No estelionato, há duas vertentes – as vítimas ingênuas e que são enganadas; e outra onde as vítimas contribuem porque são ambiciosas, gananciosas. No golpe do bilhete, esses estelionatários oferecem vantagens, porcentagem do prêmio que é de R$ 10 milhões, R$ 20 milhões para facilitar. Oferecem R$ 1 milhão, R$ 500 mil reais e em troca levam R$ 10 ou R$ 15 mil reais. Acaba sofrendo prejuízo, algumas vítimas já tiveram até R$ 500 mil em prejuízo”, disse Emmanoel à Banda B.

Vídeo

Assista ao vídeo registrado pela Polícia Civil: