A ex-policial civil Kátia das Graças foi condenada a 14 anos e 3 meses de prisão em regime fechado, no começo da madrugada desta sexta-feira (27). O julgamento aconteceu no Tribunal do Júri, em Curitiba. Ela é acusada pela morte de copeira Rosaira Miranda da Silva, baleada com um tiro na cabeça em dezembro de 2016. Kátia assumiu o disparo, mas afirmou que não teve intenção de matar Rosaira. A sentença foi dada pelo juiz Daniel Ribeiro Surdi Avelar.

Julgamento terminou no início da madrugada. Foto: Banda B.

Durante o julgamento, a ex-policial disse que o erro que cometeu define ela pelo que é hoje.

“Eu acabei me estressando por um conjunto de fatores, que me levaram ao que estou respondendo hoje. Meu pai sempre me ensinou honestidade, bem como minha mãe me ensinou responsabilidade, e é com isso que sempre procurei tocar minha vida. Houve um erro que infelizmente me define por completo hoje”, disse.

O júri de Kátia começou por volta das 13h30 desta quinta-feira (26). De imediato, os jurados foram levados ao local do crime, na Rua Mateus Leme, onde fizeram uma inspeção.

No retorno ao júri, três testemunhas foram ouvidas antes de Kátia, todas vinculadas à segurança pública. Ao todo, porém, 11 testemunhas estavam arroladas.

Decisão frustra viúvo

O viúvo da copeira, Francisco Leitem ficou frustrado com a sentença final. Ele esperava uma pena maior para a ex-policial.

“Sem palavras, 14 anos e meio é pouco, ré confessa é vai recorrer em liberdade. É difícil de aceitar”, disse emocionado.

Ex-policial recorrerá em liberdade

O advogado Edson Fachi Junior, que representou a família da vítima no julgamento disse à reportagem da Banda B que acredita que a ex-policial irá cumprir a pena, apesar dessa possibilidade de recorrer em liberdade.

“O que a sentença trouxe é uma pena em regime fechado, prisão. O que ela obteve aqui foi um direito que a lei prevê que todo aquele que responde o processo em liberdade de recorrer e passar esse tempinho a mais em liberdade, mas decisão do Júri é soberana, constitucionalmente soberana. Ou seja: não vai mudar. Então só precisa esperar esse tempinho para que a família, além da condenação, possa ver a sentença se cumprir com a prisão dela”, explicou o advogado.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Ex-policial civil que matou copeira é condenada a 14 anos e 3 meses de prisão em regime fechado

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.