Cris e Edison Brittes – Reprodução Instagram

 

O comerciante Edison Brittes Junior, de 38 anos, assumiu que matou o jogador de futebol Daniel Corrêa Freitas, de 25 anos, segundo informou Cláudio Daledone, advogado de defesa dele. De acordo com a versão de Brittes, ele arrombou a porta ao escutar a esposa pedindo por socorro e viu Daniel sobre ela, de cueca, tentando ter relação sexual. A decisão de matar o jogador só veio, segundo a versão da defesa, quando o marido viu as mensagens de Daniel trocadas com um amigo, em que dizia que havia tido relações sexuais com a esposa Cris Brittes.

 

Empresário Edison Brittes mostra onde o corpo foi abandonado – Foto: Divulgação defesa

 

O comerciante, que tem um mercado em São José dos Pinhais, se apresentou à polícia nesta quinta-feira (1). Ele foi detido e acompanhou a equipe da polícia até o local onde o corpo foi abandonado na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais. A esposa foi detida na noite de quarta-feira (31), no momento em que seguia para o escritório do advogado. Cris foi presa em um posto de combustível, já que a polícia monitorava o celular dela. O marido só não foi preso porque já estava no escritório do advogado, que negociou a entrega para esta quinta-feira. A filha, Allana Brittes, de 18 anos, também foi detida.

 

Foto que estaria no celular de Daniel, segundo a defesa do empresário

 

A versão apresentada por Edison Brittes é de que 11 pessoas estavam na festa de aniversário da filha, na casa dele, incluindo o jogador Daniel. Ele diz que, em determinado momento, notou que Daniel havia sumido. Foi aí que ouviu gritos da esposa, pedindo socorro. Daledone informou que seu cliente foi até o quarto e a porta estava trancada. Ele arrombou e, segundo disse, viu Daniel de camiseta e cueca sobre a esposa, tentando ter relações sexuais. O advogado de Edison confirmou que não houve penetração, conforme depoimento da esposa, também presa, Cris Brittes.

 

 

O advogado disse que, na sequência, Brittes começou a espancar Daniel e outros três amigos vieram e bateram também. O jogador ficou desacordado e foi levado para o carro e jogado no porta-malas do Veloster do empresário.

Porta do quarto da família Brittes arrombada – Divulgação da defesa

A versão do empresário é de que a intenção seria apenas abandoná-lo, vivo, em algum lugar. Porém, no trajeto, ele viu as mensagens que Daniel tinha trocado com um amigo pelo WhatsApp. As mensagens mostravam a esposa dormindo ao lado do jogador e também uma conversa em que ele falava que ia transar com a esposa do dono da casa (Veja as mensagens aqui).

Neste momento, segundo informou Daledone, seu cliente decidiu matar Daniel. Pegou uma faca e arrancou o pênis dele. Logo em seguida atingiu o pescoço.

Ao lado da polícia, nesta quinta-feira, Brittes contou que jogou o órgão genital, que foi achado pendurado em uma árvore.

Indicativo

De acordo com o advogado de Edison, que matou Daniel, ele tem indicativo da polícia pelo crime de receptação por comprar carro roubado.

Vinda para Curitiba

Daniel, que jogava no São Bento, estava de folga e veio para Curitiba na sexta-feira (26) para a festa de aniversário de Allana Brittes, numa casa noturna no Batel. Ele estava tendo um relacionamento com uma amiga de Allana. Da casa noturna, ele, amigos e a família seguiram para a casa dos Brittes no bairro Guatupê. Lá, que tudo aconteceu.

Família do jogador

A Banda B entrou em contato com a família do jogador. A informação é que neste momento ninguém vai se manifestar.

Polícia

A polícia vai dar mais detalhes do caso nesta quinta-feira em entrevista coletiva.

 

Assista ao vídeo divulgado pela defesa com o momento em que Brittes (de camisa roxa) mostra à polícia onde deixou o corpo: