O governador Ratinho Júnior disse nesta sexta-feira (15) que a demora na chegada da viatura da Polícia Militar em atender inúmeros pedidos de vizinhos para atender uma briga de casal em Fazenda Rio Grande (RMC), no dia 14 de janeiro, é uma falha grave e não há desculpa para isso. Vizinhos ligaram para a PM no mínimo 10 vezes para denunciar a briga, que terminou com a morte de Daniela Eduarda Alves. (Ouça aqui)

A primeira ligação ao 190 pedindo ajuda foi feita a 1 hora da madrugada. Daniela foi morta cerca de 40 minutos depois e a viatura chegou só às 2h20, de acordo com a denúncia do Ministério Público.

Governador Ratinho Jr – Foto Banda B

“É uma falha grave e não tem desculpa para isso. O que precisamos para amenizar esta falha é levar mais eficiência para o atendimento da Polícia Militar”, disse o governador ao ser questionado sobre o caso durante o lançamento do Programa Escola Segura nesta manhã.

A Banda B teve acesso a dez áudios de vizinhos implorando para que a polícia chegasse logo:

“Tem um homem, um vizinho que está batendo muito na mulher. Eu acho que até matou”, diz uma das gravações. Os vizinhos insistem, desesperados: “É a terceira vez que eu estou ligando”.

O atendente diz que já está encaminhando atendimento, mas quando a viatura chega, cerca de uma hora e vinte minutos depois, Daniela já estava morta.

Daniela foi morta diante da filha

O governador reconheceu a falha, mas ressaltou que há um problema de estrutura na PM.  “É um desafio melhorar esta estrutura para atender as ocorrência o mais rápido possível. O problema não é só de atendimento. Hoje há um problema em cerca de 40% da frota de viaturas e estamos estudando a possibilidade de alugar estes carros para quando um quebrar, outro ser substituído imediatamente”, disse.

Ratinho ressaltou que há um protocolo que de que uma viatura não pode deixar de completar uma tendimento ao ser chamada até a conclusão.  “Precisamos melhorar esta estrutura. De qualquer forma, um inquérito administrativo foi aberto para apurar o que de fato ocorreu”, completou.

A Polícia Militar informou que, no momento em que recebeu os chamados, os carros policiais estavam em atendimento à outras ocorrências e assim que um deles liberou, foi ao local. A PM começou uma apuração sobre o caso.

Morte

A telefonista Daniela Eduarda Alves, de 24 anos, foi morta a facadas pelo ex-marido, Emerson Bezerra da Silva, de 25 anos. O crime aconteceu na casa de Daniela, dia 14 de janeiro. O ex-marido foi preso logo em seguida, na casa dos pais, no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. A filha do casal, de 4 anos viu tudo. Emerson está preso e foi denunciado por feminicídio.

Relacionada: