Reprodução Facebook

 

Os dois acusados pela morte do campeão mundial de paracanoagem José Agmarino de Jesus Coelho foram condenados pelo Tribunal do Júri de Curitiba, nesta segunda-feira (15). Jonathan Carvalho de Lima e Rodrigo Cordeiro Turczim vão responder por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil, e vão ter que cumprir uma pena de 23 anos e dois meses de prisão.

Conhecido como ‘Zecão da Canoagem’, José Agmarino de Jesus Coelho foi morto no dia 2 de abril de 2017, no Condomínio Serra do Mar, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Segundo as investigações, ele foi morto por não aceitar ações criminosas dentro do condomínio. Sendo assim, os suspeitos acreditavam que ele seria uma ameaça ao grupo. Cinco homens teriam feito uma emboscada contra o atleta e realizado os disparos.

Além de Jonathan e Rodrigo, dois adolescentes e um homem até hoje não identificado teriam participado do crime.

O promotor Alexandre Ramalho de Farias, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), disse estar satisfeito com o resultado. “Consideramos que essa sentença e a condenação representam justiça para o caso. A condenação se dá por homicídio duplamente condenado, com motivo fútil, porque Zecão repreendia o uso de drogas. Foi um julgamento de mais de 12 horas e tudo transcorreu bem”, disse.

Por sua vez, o advogado de Rodrigo, André Luis Romero de Souza, informou que deve recorrer. “A defesa acredita que a prova é muito frágil para sustentar a condenação. Ao nosso ver, a decisão foi contrária à prova dos autos. Vamos tentar reformar a sentença no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), para tentar buscar um novo julgamento. O único depoimento era da esposa, que ao nosso ver, estava completamente abalada emocionalmente e não poderia falar na ocasião. É um depoimento cheio de dubiedades”, afirmou.

Entre os adolescentes envolvidos no crime, um já cumpriu medida sócio-educativa. O outro foi assassinado em confronto com a polícia.

“Serra do Mal”

O Condomínio Serra do Mar se tornou popularmente conhecido nos últimos anos como Serra do Mal por conta do grande número de homicídios no local. O próprio promotor lembra que seriam mais de 30 assassinatos nos últimos cinco anos no local.