A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu, na terça-feira (20), mandados judiciais, de prisão temporária e busca e apreensão, contra dois jovens, ambos de 20 anos, suspeitos pelo crime de homicídio contra Wesley Leite Padilha, também de 20 anos, no dia 5 de janeiro deste ano. Tanto as prisões, quanto o crime, ocorreram no bairro Cajuru.

Foto: PCPR

Segundo a PCPR, no dia do homicídio, os suspeitos já estavam observando Padilha e o abordaram quando saiu de uma mercearia do bairro. Neste momento, um dos suspeitos efetuou alguns disparos de arma de fogo, atingindo a cabeça e o pescoço da vítima. O jovem chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu no hospital.

De acordo com as investigações feitas pela PCPR, Padilha teria desavenças com um dos suspeitos, em razão de relacionamentos afetivos. Além disso, uma das motivações do crime seria porque, em outra ocasião, a vítima teria agredido a mãe de um dos suspeitos.

“A equipe coletou informações de testemunhas, que disseram ouvir a conversa dos suspeitos combinando este homicídio. A causa se trata de uma briga, mas estamos buscando a motivação idônea e verdadeira dos fatos. Segundo a investigação, havia um desentendimento entre o autor do disparo e familiares da vítima. Dessa forma seria, em tese, um crime passional”, explicou o delegado Tito Lívio Barichello, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) .

Conforme apurado pela PCPR, a dupla já havia tentado matar Padilha no dia 3 de março de 2016, devido a desafetos que tinham desde a época. Entretanto, a vítima não realizou representação policial para que fosse possível dar continuidade na investigação.

“Por outro lado, o autor também disse que agiu em legitima defesa. Segundo o relato, ele estava rua quando a vítima, que tem passagens policiais e andava armado, estaria ameaçando a vida dele. Ele ainda alegou que a arma usada no dia do crime não estava mais com ele”, disse o delegado.

O suspeito de efetuar os disparos, não contava com antecedentes criminais. Já seu comparsa, conhecido como “Gordo”, já possuía passagem por receptação. A dupla responderá por homicídio qualificado e ficará detida à disposição da Justiça.