Dono do mercado em que ocorreu o esfaqueamento e morte de três homens em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, Aguinaldo Cruz Dias confessou nesta quinta-feira (29) ser o responsável pelo crime. No interrogatório, ele afirmou que estava desesperado pela cobrança de dívidas e que queria apenas “dar um susto” em Fabrício dos Santos, de 38 anos, mas que a situação teria saído do controle. O crime aconteceu na última segunda-feira (26), no bairro Afonso Pena.

Foto: Colaboração

De acordo com o delegado Fabio Machado, o interrogatório confirma o que a investigação já apontava até aqui. “O Aguinaldo resolveu confessar e confirmou que queria dar um susto no Fabrício. Ele diz que não conhecia as duas pessoas que acompanhavam o Fabrício, mas que a situação descambou a isso. Por fim, disse ainda que ele mesmo esfaqueou as três vítimas, mas que foi auxiliado por três pessoas que não conhece”, disse o delegado.

No local, Aguinaldo negou ser autor do crime. Durante as investigações, porém, a Polícia Civil realizou a prisão em flagrante, principalmente após ele apresentar versões contraditórias sobre o que teria ocorrido. As vítimas teriam ido ao supermercado para cobrar uma dívida de R$ 18 mil do dono do estabelecimento.

O advogado Claudio Dalledone afirma que Aguinaldo vinha sendo vítima de extorsão e que o ocorrido foi uma situação de desespero. “Infelizmente uma tragédia, que acabou evoluindo a isso. Aguinaldo é um homem que não tem antecedente criminal e que só soube trabalhar na vida, vítima de um grupo criminoso. Hoje ele pediu para ser interrogado e está colaborando com todos os fatos da investigação”, afirmou.

No dia do crime, as três vítimas chegaram a ser amarradas antes de serem esfaqueadas.

Outras vítimas

O advogado Diogo Cardoso Mendes, que representa a família das outras duas vítimas, Gilberto Rodrigues, 52 anos, e Odair Rodrigues, 53 anos, afirma que nenhum dos dois tinha qualquer envolvimento criminoso. “Ao que tudo indica, o Fabrício teria manobrado para ir na companhia dos dois irmãos até o mercado. São duas pessoas que estavam lutando para encontrar emprego e não promoviam nada disso, tanto que nenhum deles estava armado”, lembrou.

A Delegacia de São José dos Pinhais segue investigando o caso e agora busca pelos demais envolvidos no crime.