Dois irmãos foram presos, na última sexta-feira (20), em Tijucas do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. Eles são investigados pelo desaparecimento do vendedor Pedro Ismael Matozo, 49 anos, no dia 6 de abril de 2020. A Polícia Civil (PCPR) acredita que o caso pode se tratar de um homicídio contra a vítima que ainda não teve o corpo localizado.

Pedro foi visto pela última vez por uma vizinha na casa dele, na rua Lya Marques Vieira, no bairro Abranches, em Curitiba. Uma discussão teria sido ouvida dentro da residência e com ele estariam os dois investigados.

Foto: Arquivo família

A delegada da Delegacia de Homicídios (DHPP), Tathiana Guzella, afirma que o teor da discussão seria um desentendimento sobre a venda de um sobrado. “As testemunhas dizem que a última vez que ele foi visto com vida foi nesse dia saindo de carro com dois irmãos. Outra testemunha informa que ouviu uma discussão entre Pedro e um dos investigados sobre um desacordo comercial envolvendo a venda de um terreno com um sobrado”, conta a delegada.

O suspeito que fechou a venda do terreno com a vítima se defende dizendo que estava com outra pessoa no dia dos fatos. A respectiva pessoa, porém, nega que esteve com o investigado na data.

A hipótese de homicídio é reforçada por conta de Pedro ter deixado para trás objetos pessoais. “Acreditamos que se trata de um homicídio porque ele deixou objetos muito pessoais para trás, como carteira e relógio. Ainda porque ele não deu sinal de vida para os filhos, nem para os irmãos, o que não aconteceria dentro da normalidade. E é muito tempo para acreditar que estamos diante de um sequestro”, explicou Guzella.

Os irmãos negam envolvimento no desaparecimento, já participaram de interrogatório na DHPP e seguem presos.