Por Marina Sequinel e Antônio Nascimento

O delegado Guilherme Rangel, que investiga o caso da agência de turismo Interlaken, declarou que as promoções ‘imperdíveis’ mostram que a empresa pode ter premeditado um golpe. Segundo ele, no total, o prejuízo já é superior a R$ 1 milhão, com 128 vítimas que registraram boletins de ocorrência.

dona-interlakenAo lado de dois advogados, sócia entrou na delegacia para prestar depoimento. (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

“As investigações apontam, pela documentação repassada pelos clientes e pela conduta da empresa, que existem alguns crimes, como estelionato, propaganda enganosa e associação criminosa”, disse Rangel, da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (6).

Para o delegado, esse não é apenas um caso de má administração. “Eu não acredito que eles tenham percebido que entrariam em falência no dia 24 de dezembro e, no dia 26, fechariam as portas do nada. Até porque eles fizeram várias promoções e propagandas para angariar clientes e conseguir mais dinheiro”, concluiu Rangel.

Ele orienta as vítimas a entrarem com uma ação cível contra a empresa, junto com a penal, para tentar o ressarcimento financeiro o mais rápido possível. A Polícia Civil investiga o caso junto com o Procon e a Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, do Ministério Público do Paraná (MPPR).

Notícias relacionadas

Em ligação, funcionária de agência de turismo tenta convencer cliente de que viagem acontecerá; ouça

Dona de agência de turismo que fechou as portas aparece para depor sob os gritos de ‘ladra, golpista’

Empresa prejudicou viagem de paciente com câncer e aniversário de casamento, diz delegado

Em comunicado, agência de turismo alega inadimplência e alta do dólar para fechar as portas

Clientes lesados protestam contra agência de turismo que fechou as portas; MPPR investiga o caso

Agência de turismo de Curitiba fecha as portas de surpresa no Natal e clientes que pagaram pacotes podem não viajar