Após exame pericial na cela onde Elias Maluco foi encontrado morto, nesta terça-feira (22) no presídio de segurança máxima de Catanduvas, os peritos da Polícia Federal de Foz do Iguaçu encontraram cartas escritas pelo detento direcionadas a familiares. O delegado Daniel Martarelli, da Polícia Federal, revelou o conteúdo dos textos em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (23).

Foto: Reprodução

“Ele diz basicamente que não tem mais vontade de viver e pede perdão para a família. Afirma que não é um ato de covardia, mas sim um ato de coragem e que ele se sente pronto para realizar esse tipo de ato”, descreveu o delegado.

Martarelli diz ainda que nas cartas não há menção a ameaças ou qualquer outra motivação para o suposto suicídio. “Diante daquilo que foi apurado até o momento, das cartas, do exame e demais circunstâncias fica claro que é um caso de suicídio”, defendeu ele.

O laudo preliminar do IML (Instituto Médico Legal) aponta morte por enforcamento, porém o resultado é provisório até o laudo definitivo. A Polícia Federal investiga a morte, agentes penitenciários foram ouvidos e câmeras de monitoramento foram analisadas.

O detento foi encontrado pendurado com um lençol no pescoço e a cela estava organizada, como contou o delegado: “A cela estava bem organizada, cama arrumada, ele havia recebido a refeição na hora do almoço e comeu normalmente. Tudo estava organizado, os livros, as cartas, a tolha estava pendurada na parede e ele estava pendurado no fundo da cela”.

O corpo de Elias Maluco permanece no IML de Cascavel e só deve ser liberado com a autorização de familiares. De Cascavel o corpo deve ser transferido ao Rio de Janeiro, onde será velado e sepultado.

Elias Maluco

Elias Pereira da Silva, mais conhecido como Elias Maluco, foi preso em 19 de setembro de 2002, acusado do assassinato do jornalista Tim Lopes. Ele é considerado um dos maiores traficantes de drogas do Rio de Janeiro. Elias, que também é apontado como um dos líderes do Comando Vermelho, tinha 54 anos e era acusado pela morte de mais de 60 pessoas.