Foto: Flávia Barros – Banda B

A delegada Camila Cecconello, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (12) que “há um indício consistente” de que a morte do empresário encontrado na última quinta-feira (7), no bairro Campo Comprido, em Curitiba, pode se tratar de um crime de extorsão.

Segundo ela, as investigações realizadas em parceria com a Delegacia de Furtos foram realizadas na última semana, ouvindo familiares e amigos da vítima. “Os depoimentos foram colhidos na quinta e na sexta-feira. Chegamos à conclusão de que há um indício bastante consistente de que o caso pode se tratar de um crime de extorsão”, contou Cecconello. “O autor pode ter entrado na casa da vítima em busca de algo que o interessasse e acabou então executando a vítima no local”, concluiu.

Um dia após o crime, o carro do empresário Jorge Luis Pereira, de 64 anos, foi encontrado pela Polícia Civil. O veículo foi encontrado no bairro Seminário, mas os investigadores acreditam que apenas tenha sido utilizado para a fuga. “O fato de terem levado o carro, não nos parece o fator da morte”, completou Magalhães.

O crime

Jorge Luis Pereira foi encontrado morto na tarde de quinta-feira (7). Ele era sócio de um empreendimento, que está em fase de conclusão, vizinho a sua residência. O assassinato aconteceu na Rua Lourenço Bizinelli e quem encontrou o corpo dentro da residência foi a esposa da vítima.

Como o alarme do condomínio foi danificado, acredita-se que os bandidos possam ter entrado na residência por ali.