Da Redação

A Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba apreendeu, na última segunda-feira (26), cerca de 80 mil comprimidos de ecstasy, droga constante nas baladas. De acordo com a Polícia Civil, esta é a maior apreensão desse tipo de droga sintética na história do Paraná e a segunda no Brasil. Segundo o delegado Marcelo Magalhães, a DFR investigava uma quadrilha de roubos a comércios que costumava agir na região do bairro Alto Boqueirão.

apreensão ecstasyFoto: Juliano Cunha – Banda B

“Nós descobrimos que essa quadrilha costumava trocar objetos roubados e furtados por drogas, com traficantes da região”, contou Magalhães.

O delegado explicou que os policiais então receberam a informação que traficantes agiam em duas casas na região. “Na primeira casa, na Rua Maestro Carlos Frank, prendemos o proprietário, Bruno Murilo dos Santos, 26 anos, e Juliano Vinícius Sanches, 32 anos, por volta das 17h. Nesta casa encontramos 4 mil comprimidos, cem munições e uma pistola Taurus com mira a laser”, contou Magalhães.

Já na delegacia, os policiais tiveram a informação de que um Fox prata repleto de drogas estaria na casa de Sanches. “Fomos até lá, já com apoio de policiais da Denarc, e realmente encontramos a droga. Cerca de 76 mil comprimidos de ecstasy estavam escondidos no fundo falso do painel do carro”, contou o delegado Rodrigo Souza, da DFR.

Cocaína

Também na tarde de segunda-feira, o Núcleo de Londrina da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) apreendeu, no posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na BR-376, 108 quilos de cocaína e 8 quilos de crack.

A equipe do Núcleo de Londrina da Denarc, chefiada pelo delegado Lanevilton Theodoro Moreira, prendeu, por volta das 13h da última segunda-feira (26), Aislan Franklin, 30 anos, e José Maria Pereira, 27 anos, moradores de Umuarama. “Eles foram capturados no posto da PRF, na BR-376, quando traziam em suas caminhonetes, 108 quilos de cocaína e 8 quilos de crack. A droga estava escondida em fundos falsos nos bancos”, contou o delegado-titular da Denarc, Alan Flore.

A droga apreendida em Londrina vinha sendo trazida para Curitiba e está avaliada em cerca de R$ 3,5 milhões.