(Foto: Flávia Barros – Banda B)

 

A Secretaria Municipal da Defesa Social de Curitiba afirmou à Banda B, nesta segunda-feira (25), que pretende realizar um maior controle das entradas e saídas dos cemitérios da cidade, inclusive com o fechamento de portões. A medida foi anunciada três dias após o corpo da bebê Valentina de Fátima Vieira, de 13 meses, ser levado do Cemitério do Boqueirão.

De acordo com o superintendente Carlos Celso dos Santos Júnior, uma série de ações deve reforçar a segurança desses locais na cidade. “Quanto menos portões, maior é o controle. A ideia é fechar algumas das entradas para que os visitantes possam ter mais tranquilidade”, disse ele.

Sobre o caso de Valentina, o superintendente relatou que a Guarda Municipal (GM) fez o atendimento imediato da ocorrência, por meio do Núcleo do Boqueirão, e a repassou para a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), para que as providências fossem tomadas. Até o momento, a Polícia Civil não se pronunciou sobre as investigações.

Segundo o superintendente, existem rondas fixas da GM, interna e externamente, nos Cemitérios São Francisco e Água Verde; enquanto que os localizados no Boqueirão e Santa Cândida são atendidos por viaturas em patrulhamento. “Além disso, nós temos todo um planejamento, junto com a Secretaria do Meio Ambiente, de construirmos barreiras, aumentando muros, por exemplo, para trazer mais segurança”, completou.

Outras medidas que visam combater os crimes de furtos em cemitérios é a instalação de câmeras e a contratação de mais efetivo, de acordo com Santos. “Foi feito um concurso público e o prefeito teve a coragem de contratar 60 guardas, que estão em fase de curso. No segundo semestre, haverá o chamamento de mais 100 profissionais, assim como no ano que vem. Esse número tinha baixado significativamente, mas vem aumentando e deve melhorar a partir de setembro”, concluiu.

Qualquer irregularidade em cemitérios de Curitiba pode ser denunciada, de forma anônima, por meio do número 153.

O caso

Valentina morreu na última quarta-feira (20) e há suspeita de que tenha sido vítima de uma gripe. Ela foi velada e sepultada no dia seguinte, no Cemitério Municipal do Boqueirão.

Na sexta pela manhã, o corpo da bebê, junto com o caixão, foi furtado do local. Os lacres do objeto foram encontrados no chão. Uma testemunha contou para a família que viu um homem de aparência idosa deixando o cemitério com algo branco, que poderia ser o caixão.

Muito abalada, a família visitou o túmulo após ser avisada do desaparecimento e se deparou com o local aberto, apenas com flores do velório.

A DHPP investiga o caso. Qualquer informação pode ser repassada à delegacia pelo telefone: 0800 6431 121.

 

Notícia relacionada