(Foto: Reprodução)

A defesa de Allana Brites negou a informação de que ela, então com 16 anos, tentou abrir uma conta falsa em seu nome no dia dez de agosto do ano passado. De acordo com o advogado Cláudio Dalledone, que representa a família Brittes, ela era estagiária na agência bancária e houve uma interpretação errada do Boletim de Ocorrência.

A informação era de que Allana teria fugido após tentar abrir uma conta com documentos falsos em uma agência na Av. Rui Barbosa, em São José dos Pinhais, entretanto não foi isso que aconteceu. “Isto é uma fake news. A Allana trabalhava no banco e ela chamou a gerente, por isso assinou o Boletim de Ocorrência. Houve um erro de interpretação”. afirmou Dalledone.

A ocorrência foi registrada como “falsidade ideológica – crimes contra a fé pública”. Acusada de participar do assassinato de Daniel, a jovem foi transferida para a Penitenciária Feminina de Piraquara na semana passada, junto com a mãe. O crime aconteceu no último dia 27 em São José dos Pinhais, depois da festa de aniversário de Allana, em uma casa noturna no Batel, em Curitiba.

Equivoco

Levando em consideração a alegação do escritório que defende a Família Brittes, a Banda B se equivocou ao informar que Allana teve complicações com a justiça anterior ao episódio da morte do jogador Daniel