Unidade ficará no térreo do 1º Distrito Policial (DP), no Centro de Curitiba. Foto: Arquivo/Banda B

A Polícia Civil criou a Central de Flagrantes de Curitiba que passará a atuar a partir das 19 horas desta sexta-feira (1º).  O objetivo é para desafogar Distritos Policiais dos bairros e agilizar o atendimento das confecções dos Boletins de Ocorrência de suspeitos presos em flagrante. Com isso, o Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac) – Sul e Centro – deixa de existir e volta a funcionar, apenas, como distritos regionais.

A Central funcionará 24 horas por dia, sob coordenação do delegado Fábio Machado. A unidade ficará no térreo do 1º Distrito Policial (DP), no Centro de Curitiba e atenderá todas as ocorrências da Polícia Militar, Guarda Municipal e outros órgão de segurança, exceto Polícia Civil.

“Esta central visa dar mais agilidade nos atendimentos de flagrante, além de ser um local único em Curitiba, onde funcionará com quadro próprio para atender todas as ocorrências de flagrante da PM e da GM”, falou o delegado-geral da Polícia Civil, Julio Reis, completando que será um grande avanço no atendimento da instituição.

Na prática, Fábio Machado descreve que, a partir de agora, os distritos estarão voltados, com exclusividade, à população. “Os distritos agora estarão voltados, exclusivamente, para o atendimento à população. Antes eles atendiam também Guarda Municipal, Polícia Militar. Agora, é só população. A Central de Flagrantes atende as policias, ou seja, terá um policial ou guarda que vai lavrar o Boletim de Ocorrência, a medida que for terminando, será ouvido pelo delegado de plantão, por meio de oitiva, pelo sistema audiovisual. Em média, entre chegada e saída vai durar cerca de 15 minutos”, explicou.

Já os Distritos Policiais de Curitiba continuarão confeccionando Boletins de Ocorrência (B.O) durante o expediente e o 2º, 4º, 6º, 9º, 10º, 11º e 13º DPs, que não ficam responsáveis por custódia de presos, também funcionarão no período noturno registrando B.Os.

O novo sistema vai solucionar uma deficiência grave que as polícias enfrentavam no momento do flagrante – das 18 horas às 19 horas e também das 7 horas às 9 horas – em que o preso tinha que ser mantido na viatura até a abertura de um Distrito Policial. “Com esse sistema audiovisual teremos mais policiais na rua porque o tempo gasto na lavratura das ocorrências será muito menor. Vai beneficiar o trabalho do policial, que passará a ficar menos tempo em delegacias e a população passa a contar com mais efetivo nas ruas, patrulhando e fiscalizando”, defendeu.

Efetivo próprio

A central contará com um efetivo próprio composto por seis delegados de polícia, dez escrivães e 20 investigadores, que trabalharão em esquema de plantão, além de outros três investigadores lotados no 1º DP, que darão apoio durante o horário de expediente – das 9h às 18h – para lavratura de B.O. Também haverá o auxílio de dois agentes penitenciários, sendo um 24 horas e outro em horário de expediente.

O idealizador da nova central da Polícia Civil, Francisco Caricatti, acredita que o modelo de funcionamento do Ciac comprometia a eficiência dos servidores dentro do distrito policial. “Entre plantões e folgas eram empenhados quase o triplo de escrivães e o dobro de investigadores, os quais, a partir de agora, estarão à disposição do seu próprio distrito com um maior rendimento”, afirma.

Vale ressaltar que, nesta nova unidade, todas as audiências dos autos de prisão em flagrante serão realizadas por audiovisual. Todos os procedimentos serão concluídos, relatados pela Central de Flagrantes e encaminhados ao Poder Judiciário no prazo de 24 horas.

Para o delegado coordenador da Central de Flagrantes, Fábio Machado, a novidade irá tornar mais eficiente os serviços de polícia judiciária, liberando os distritos policiais para focarem em operação policiais, podendo contar com todo o seu efetivo.