Luis Felipe Manvailer passa a responder ao processo como réu (Foto: Reprodução)

Aconteceu na tarde dessa quinta-feira (21), em Guarapuva, no interior do Paraná, o interrogatório de Luis Felipe Manvailer. Ele é acusado do homicídio da esposa, Tatiane Spitzner, no último dia 22 de julho de 2018.

No depoimento, que durou cerca de 20 minutos, o acusado permaneceu em silêncio. O advogado do réu, Adriano Brettas, explicou que o silêncio foi estratégico, já ontem uma testemunha, ouvida no estado do Espírito Santo, esclareceu que escutou gritos de Tatiane enquanto ela caía da sacada.

“Silêncio justificável pelas circunstâncias. Esse é um ponto muito importante e elucidativo pois mostra que ela caiu com vida. Essa testemunha também deu conta de que quando a perícia compareceu ao local, os peritos chegaram a comentar com ela de que, se a Tatiane tivesse caído na sacada da vizinha, talvez ela não teria morrido, o que reforça a ideia de que os peritos acreditavam que ela caiu ainda viva”, disse o advogado.

Brettas ainda reclamou do procedimento do corpo de Tatiane ter ido à Funerária e retornado ao IML, além do fato de que essa situação não foi documentada pelos órgãos responsáveis.

“Houve sim quebra da cadeia de custódia e a prova pericial está toda comprometida. É completamente anômala essa situação, em que um corpo é liberado pelo IML, vai para a funerária, fica uma hora e meia, começam os procedimentos, com esse corpo sendo instrumentalizado e depois de um intervalo de uma hora, esse corpo volta para o IML a pedido de um auxiliar de necropsia que nem tem autoridade para isso”, acrescentou Brettas.

A partir de agora, o Ministério Público e Defesa devem apresentar as alegações finais, defendendo cada o qual o seu ponto de vista. E após isso o juiz decide se Luis Felipe Manvailer irá ou não à júri popular.

A advogada morreu no dia 22 de julho após cair do quarto andar do prédio onde morava, em Guarapuava, na região Centro-Sul do Paraná. O marido dela, o professor de Biologia Luis Felipe Manvailer, está preso na Penitenciária Industrial da cidade, acusado de ter jogado a jovem da janela.